Princesa Isabel de França (1764-1794)


BIOGRAFIA DA PRINCESA ISABEL

A Princesa Isabel nasceu, a 3 de Maio de 1764, em Versalhes. Ficou órfã aos três anos de idade. Tinha uma paixão pelos estudos, revelando-se particularmente dotada para as matemáticas. Dentro da Família Real, conseguiu sempre ter muito boas relações com todos. Cedo percebeu que não se casaria e que não era chamada à vida religiosa, ao contrário da sua tia Louise e da sua prima Louise Adelaïde de Condé, futura Abadessa de Remiremont e, mais tarde, de Saint-Louis-du-Temple. No entanto, decidiu doar a sua vida à oração e a aliviar os pobres tanto quanto os seus escassos recursos o permitissem. Conseguiu pôr isto em prática na sua propriedade em Montreuil, que o Rei lhe tinha dado em 1781. A sua vida de oração ali era regular e estruturada, guiada pelo Padre Madier, o seu director espiritual. Juntamente com o Dr. Le Monnier, tratou graciosamente os pobres. A sua reputação de bondade espalhou-se.       

Assim que os primeiros acontecimentos revolucionários ocorreram, decidiu oferecer a sua vida para apoiar os seus familiares. Também se recusou a partir em várias ocasiões. Depois da partida do Padre Madier para Roma, para acompanhar as suas tias, escolheu o Padre Edgeworth de Firmont, que não estava sujeito à Constituição Civil do Clero, como seu director espiritual. Permanecer em comunhão com o Papa era essencial para ela. Em 1790, durante a celebração do voto de Luís XIII, fundou uma confraria, com as suas damas, dedicada ao Imaculado Coração de Maria, a fim de rezar pela França e apoiar os pobres. Após a Revolução, duas das suas damas juntaram-se às Filhas do Imaculado Coração de Maria e fundaram a obra que viria a tornar-se o Liceu Carcado-Saisseval (a partir dos seus nomes).          

Partilhou com o Rei, a Rainha e os Infantes todas as jornadas revolucionárias, fazendo-se mesmo passar pela odiada Rainha durante a primeira invasão do Palácio das Tulherias, a 20 de Junho de 1792. Foi presa na Torre do Templo. Foi ela que disponibilizou a Luís XVI o Padre Edgeworth, que devia celebrar a Missa e acompanhá-lo até ao cadafalso. A sua vida de oração tornou-se intensa. Ficou com a sua sobrinha, dando-lhe conselhos espirituais e também ensinando-a a manter uma boa saúde mental e física. Foi executada a 10 de Maio de 1794, após um julgamento sumário, mas não sem ter apoiado os executados com as suas exortações espirituais cheias de confiança no Deus misericordioso e de uma fé inabalável na vida eterna. Convence uma das damas que parece estar grávida a chamar a atenção para que a criança que carrega não morra.

ORAÇÃO RECITADA DIARIAMENTE PELA PRINCESA ISABEL         

O que me vai acontecer hoje, meu Deus, não o sei. Tudo o que sei é que não me acontecerá nada que nunca tenhais previsto. Isso é suficiente para mim, meu Deus, para estar tranquila. Adoro os Vossos desígnios eternos, submeto-me a eles com todo o meu coração. Quero tudo, aceito tudo, sacrifico tudo por Vós. Combino este sacrifício com o do Vosso querido Filho, meu Salvador, pedindo-Vos, pelo Seu Sagrado Coração e pelos Seus Méritos infinitos, a paciência nos meus males e a submissão perfeita que Vos é devida por tudo o que quiserdes e permitirdes. Assim seja. 

ORAÇÃO PARA OBTER A BEATIFICAÇÃO DA PRINCESA ISABEL    

Deus, nosso Pai, na Vossa grande misericórdia chamastes Isabel de França a oferecer a sua vida pelos seus no meio dos tumultos da Revolução. Animada por uma fé inabalável na vida eterna, ela apoiou o seu povo nos seus sofrimentos e trouxe esperança aos que morreriam com ela. Solteira, socorreu os pobres e os doentes, apoiada por uma oração diária fervorosa. Por sua intercessão, concedei-nos, de acordo com a Vossa vontade, as graças que imploramos. Na Vossa grande bondade, fazei que a Igreja possa reconhecer, em breve, nela uma testemunha autêntica do Evangelho, um modelo de celibato, assídua à oração e atenta aos mais frágeis. Pedimos-Vos isto por Jesus Cristo Nosso Senhor. Ámen.    

Queira comunicar as graças alcançadas através de info@diesirae.pt.