Súplica filial ao Papa Francisco pela consagração da Rússia

Beatíssimo Padre,      

Na aparição de 13 de Julho de 1917, Nossa Senhora disse aos três pastorinhos na Cova da Iria: «Virei pedir a consagração da Rússia ao Meu Imaculado Coração e a comunhão reparadora nos primeiros sábados. Se atenderem aos Meus pedidos, a Rússia converter-se-á e terão paz; se não, espalhará os seus erros pelo mundo, promovendo guerras e perseguições à Igreja».   

A 13 de Junho de 1929, no convento das Irmãs Doroteias de Tui (Espanha), onde tinha entrado a Irmã Lúcia, Nossa Senhora confiou-lhe numa nova aparição: «É chegado o momento em que Deus pede para o Santo Padre fazer, em união com todos os bispos do mundo, a consagração da Rússia ao Meu Imaculado Coração, prometendo salvá-la por este meio».          

O pedido foi devidamente transmitido à Santa Sé. No entanto, nos mais de 90 anos passados desde a sua formalização, nenhum dos sucessivos Papas fez esta consagração nos termos pedidos por Nossa Senhora. Embora algumas consagrações se tenham aproximado do cumprimento destes requisitos, nenhuma dessas foi realizada em conformidade com todos eles. E isto por razões mais naturais do que sobrenaturais: primeiro, foi considerado “politicamente incorrecto” desagradar a um dos aliados na Segunda Guerra Mundial; depois, foi considerado prejudicial para o progresso dos esforços de aproximação ecuménica ao Patriarcado de Moscovo; finalmente, foi objectado que um acto de “consagração” só podia ser feito em relação a Deus, mas não a Nossa Senhora, que tinha de se contentar apenas com um acto de “entrega” de pessoas, cidades, nações, etc.     

A devastação que as forças invasoras da Rússia estão a causar na heróica Ucrânia, e a ameaça à paz mundial representada pelo uso indiscriminado de armas cada vez mais letais, sugerem que todas as consagrações feitas até agora não foram aceites por Nossa Senhora. Caso contrário, teria cumprido a sua promessa, a Rússia já teria enveredado pelo caminho da conversão e o mundo estaria a desfrutar de verdadeiras perspectivas de paz.    

Na situação mais crítica em que vivemos desde a Segunda Guerra Mundial, quando as autoridades russas e os analistas internacionais evocam mesmo a possibilidade de uma guerra nuclear, derivada deste conflito actual, embora este possa diminuir temporariamente de intensidade, é imperativo dirigir os olhos para o Céu e pedir o auxílio d’Aquela que profetizou o que está a acontecer, e usar os meios por Ela indicados para evitar um massacre: a consagração da Rússia ao Seu Imaculado Coração, feita pelo Papa em comunhão com todos os bispos do mundo.

Santo Padre, os abaixo-assinados, em nome do sangue dos milhares de vítimas da agressão russa, em nome das lágrimas dos milhões de ucranianos forçados a fugir ou que vivem aterrorizados nas suas casas, em nome dos milhões de católicos de todo o mundo que se solidarizam com o sofrimento dos seus irmãos ucranianos, em nome de todos os homens e mulheres rectos que desejam a paz para o mundo, imploramos-Lhe que use a plenitude do Vosso poder apostólico e, convidando todos os bispos do mundo a juntarem-se a Vossa Santidade, faça a consagração formal da Rússia ao Imaculado Coração de Maria. Chegou o momento de pôr de lado as considerações estritamente humanas e políticas e de assumir a atitude sobrenatural da confiança filial na eficácia do pedido de Nossa Senhora.         

Ainda durante o Concílio Vaticano II, há mais de 50 anos, dois bispos brasileiros apresentaram uma petição, inspirada e redigida pelo Professor Plinio Corrêa de Oliveira, pedindo esta consagração da Rússia. A petição foi assinada por 512 padres conciliares, mas a consagração não teve lugar. Dentro desta continuidade histórica, apresentamos esta súplica filial.  

Santo Padre, chegou o momento de fazer esta consagração! Fazendo-o, Nossa Senhora converterá a Rússia e trazê-la-á de volta para o seio da Santa Igreja Católica, que abandonou há tantos séculos atrás. A Santíssima Virgem encarregar-se-á desta maravilhosa obra, fazendo reinar a paz no lugar da guerra, e num mundo pacificado reinará com o Seu coração de Mãe: «Por fim, o Meu Imaculado Coração triunfará».          

Este Vosso gesto corajoso terá aberto a grandiosa perspectiva do Reino de Maria.        

SUBSCREVA AQUI A SÚPLICA AO SANTO PADRE.

Enviar um comentário

0 Comentários