Cardeal Marx diz que alterar o Catecismo não é um «sacrilégio»

Os alemães contornaram os avisos de Roma e, no contexto do caminho sinodal empreendido pelo seu episcopado, aprovaram um texto em que instam o Papa a «clarificar e a reavaliar a homossexualidade de um ponto de vista magisterial». 

A recusa em abençoar casais homossexuais é «impiedosa ou mesmo discriminatória» numa sociedade que alcançou a dignidade humana e a livre autodeterminação como máxima de normalização moral, diz o texto sobre as celebrações de bênçãos. Tal rejeição não pode ser teologicamente justificada de forma convincente.           

Segundo os redactores do documento, aprovado por esmagadora maioria, os actos homossexuais já não devem ser condenados como pecado grave no Catecismo. A orientação homossexual faz parte da identidade humana «tal como criada por Deus» e, por isso, «eticamente não deve ser julgada de forma diferente de qualquer outra orientação sexual». 

Uma mudança deste tipo exige a sua inclusão no Catecismo da Igreja Católica, que a este ritmo será tão mutável como a Enciclopédia Soviética, mas isso não preocupa o iniciador deste perigoso processo, o Arcebispo de Munique e Freising, Cardeal Reinhard Marx. «O Catecismo não é o Corão», declarou Marx. Portanto, uma mudança do Catecismo não é um «sacrilégio».     

Marx recordou que o Santo Padre já alterou a apreciação sobre a pena de morte, que no antigo Catecismo era uma prerrogativa lícita do poder legitimamente constituído como último recurso em determinados casos; Francisco retirou esta passagem, em 2018, a favor de uma proibição sem excepções.                  

Carlos Esteban          

Através de InfoVaticana

Enviar um comentário

3 Comentários

  1. "Cardeal Marx diz que alterar o Catecismo não é um «sacrilégio»"


    Este herege, apostata, sodomita, tem tudo do pior, junto com bergolio.

    Estes são os piores tempos, que a humanidade alguma vez viveu.

    Nojentos, Não me apetece dizer mais nada, de tão horroso que isto é.

    ResponderEliminar
  2. "Cardeal Marx diz que alterar o Catecismo não é um «sacrilégio»"

    A recusa em abençoar casais homossexuais é «impiedosa ou mesmo discriminatória» tal como criada por Deus» e, por isso, «eticamente não deve ser julgada de forma diferente de qualquer outra orientação sexual».
    «O Catecismo não é o Corão», declarou Marx.
    Portanto, uma mudança do Catecismo não é um «sacrilégio».

    Resposta:
    Claro que o Catecismo não é o Corão.
    Porque se fosse, ficarias sem pescoço, ordinário.
    Estás a rebaixar as Palavras do Nosso Divino Salvador, abaixo do Corão.
    A denegrir a Salvação do Nosso Salvador, como de menor importância.
    Claro que Não se compara o Catecismo da Igreja Católica, com o corão.
    Deixa, que seja o Senhor a julgar-te.

    Paz e bem

    ResponderEliminar
  3. Cardeal Marx diz que alterar o Catecismo não é um «sacrilégio»

    APOSTATA, HEREGE, IDOLATRA

    ResponderEliminar

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários privados, queira escrever-nos para: info@diesirae.pt.