Para a Universidade Católica dos EUA, os géneros são nove

Uma certa resignação à cultura dominante, mesmo no mundo católico, respira-se, infelizmente, há anos. Na realidade, parece cada vez mais claro. Além disso, lutar contra a agenda LGBT não é de todo fácil: implica ter de se preparar para críticas pesadíssimas, por vezes até mesmo para o ridículo público. Se não for justificável, então pelo menos compreensível é a atitude daqueles que não têm vontade de dar a cara, pelo menos já não, em batalhas que, muitas vezes, parecem estar perdidas no início. Todavia, é outra coisa muito diferente mudar de lado, decidindo promover a propagação dos dogmas do arco-íris. E isto é, infelizmente, o que estamos a começar a ver também nas universidades cristãs.  

Emblemática, a este respeito, é a decisão da DePaul University – que, naturalmente, não é apenas uma universidade cristã entre muitas, sendo a maior universidade católica dos Estados Unidos (forma milhares de estudantes de 49 estados americanos e de 136 Países de todo o mundo) – de abraçar plenamente uma antropologia gender fluid. Sim, porque uma das novidades recentemente introduzidas por esta universidade é, precisamente, a previsão da possibilidade de se reconhecer entre «vários géneros». A clamorosa viragem teve lugar dentro da plataforma online da universidade, Campus Connect, que oferece agora aos estudantes inscritos a possibilidade de escolher entre nada menos do que nove «opções de género». Atenção para não subestimar este facto.          

O sistema Campus Connect é, de facto, o portal web que hospeda informações sobre e para estudantes, docentes e pessoal, para o intercâmbio de comunicações. E, a partir de hoje, permite nove identificações de género, sendo possível escolher entre masculino, feminino, intersexual, não-binário, transexual masculino, transexual feminino, cisgénero, «não especificado» e «não desejo identificar-me». Isto seria considerado quase normal numa universidade estatal, mas numa universidade católica é, pelo menos, surreal.      

É preciso dizer que esta novidade arco-íris na DePaul University é, em certa medida, uma novidade. Basta dizer que, naquela universidade, o misgendering – ou seja, chamar uma pessoa transexual pelo artigo, desinência ou pronome errados – é agora considerado «um acto de violência». E embora alguns estudantes encarem esta tendência com preocupação, a tendência geral é de preocupante aceitação deste rumo.          

Quando contactados pelo jornal online College Fix – que noticiou esta incrível reviravolta em termos de género –, os responsáveis da universidade não estavam disponíveis, nem quiseram dar qualquer explicação para a singular previsão da sua plataforma online. Reforça-se, inevitavelmente, a suspeita de uma escolha deliberada, inteiramente consciente, embora tratando-se de um dramático afastamento da moral católica. A questão é que não se trata de um caso isolado.           

A confusão reina soberana em grande parte das realidades cristãs universitárias, incluindo as que operam nas universidades mais exclusivas. Em Setembro passado, estas páginas relatavam o incrível apoio do Harvard Catholic Center à recente nomeação, como novo presidente dos capelães da Universidade de Harvard, de Greg Epstein, uma pessoa sem dúvida respeitável mas de fé… ateísta. Na altura, fez, de facto, notícia. Mas a este ritmo, não tardará muito até termos um capelão transexual, que será defendido pontualmente – se não for proposto – por uma universidade católica, pelo menos de fama.  

Giuliano Guzzo          

Através de La Nuova Bussola Quotidiana 

Enviar um comentário

2 Comentários

  1. "Para a Universidade Católica dos EUA, os géneros são nove"

    "Uma certa resignação à cultura dominante, mesmo no mundo católico, respira-se, infelizmente, há anos.
    Na realidade, parece cada vez mais claro.
    Além disso, lutar contra a agenda LGBT não é de todo fácil: implica ter de se preparar para críticas pesadíssimas, por vezes até mesmo para o ridículo público".
    "Isto seria considerado quase normal numa universidade estatal, mas numa universidade católica é, pelo menos, surreal.
    uma escolha deliberada, inteiramente consciente, embora tratando-se de um dramático afastamento da moral católica".

    Resposta: A desgraça, chegou pesada demais, sem qualquer anestesia, é tenebroso demais,
    Isto vai requerer grande capacidade de fortaleza, inteligência, discernimento, temor de Deus, Amor a Deus.
    Suplicar constantemente ao Divino Espírito Santo que não nos desampare, nos proteja ilumine e nos guarde, diariamente.

    Meu Deus, como tenho imensa dor e pena dos pais conscienciosos que temem pelo futuro dos seus filhos, pequenos.

    Vinde, Senhor Jesus,
    Paz e bem



    ResponderEliminar
  2. Sou do gênero "Macho pra caramba", com fluidez em "Macho alfa" e "porrada em fresco".
    Respeitem meu gênero!

    ResponderEliminar

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários privados, queira escrever-nos para: info@diesirae.pt.