Porquê sofrer pela Sagrada Tradição?

Como católico tradicionalista, perguntam-me frequentemente porque é que me dou ao trabalho de continuar a ser tradicionalista. Por que saio da cidade para a Missa Tradicional, quando o Novus Ordo está muito mais perto? Por que acredito que o catolicismo é a única religião verdadeira, fora da qual ninguém será salvo? Por que jejuo de carne às sextas-feiras? Porque é que rejeito o Concílio Vaticano II? Porque é que sou tão rígido? Por que não fico com os tempos?

Acompanhar os tempos seria uma cruz tão leve. Tenho amigos liberais e familiares que amam o Papa Francisco, assim como o Presidente pró-escolha Joe Biden, que é definitivamente o católico mais devoto que o Mundo alguma vez verá! Eu estaria tão perdido sem os lembretes amigáveis que, se discordar do Papa, então não é católico. Mas isso não me deve preocupar de todo, porque Francisco ainda diz que “o bom Deus salvará toda a gente”. Poderia ser muito mais feliz se apenas concordasse com ele.       

Se eu obedecesse a Traditionis Custodes e fosse ao Novus Ordo, não teria de procurar sacramentos de sacerdotes canonicamente irregulares. Pouparia dinheiro em missais em latim-inglês, uma vez que o sacerdote me diz a missa em inglês. Não há necessidade de ser rígido e reverente quando estamos apenas a ter uma refeição comunitária com os amigos. Não é que isto seja o Sacrifício do Calvário nem nada, certo?      

Por mais tentador que possa ser para mim calar-me, sei que há uma razão para eu resistir.      

Se o grande Santo Atanásio tivesse deixado os seus companheiros bispos empurrar a heresia ariana, eles nunca o teriam enviado para o exílio, mas Deus tê-lo-ia feito. A Tradição disse-lhe que Jesus Cristo é divino, mesmo que alguns na hierarquia dissessem o contrário. Foi por isso que escreveu: «Mesmo que os católicos fiéis à Tradição sejam reduzidos a um punhado, são eles que são a verdadeira Igreja de Jesus Cristo».            

Com isto em mente, os tradicionalistas devem lembrar-se que a essência da Tradição Católica é mais profunda do que a nostalgia litúrgica; é a própria Fé. Se as mudanças na igreja conciliar não ameaçam a Fé católica, estamos a desperdiçar o nosso tempo resistindo-lhes. São Paulo diz-nos: «Portanto, irmãos, estai firmes e conservai as tradições nas quais fostes instruídos por nós, por palavra ou por carta» (2 Ts 2, 15). O Segundo Concílio de Niceia dá-nos a mais severa advertência de que «se alguém rejeitar qualquer tradição eclesiástica, escrita ou não escrita, seja anátema».

Por conseguinte, sofremos pela Sagrada Tradição porque as nossas almas sofreriam eternamente sem ela. Foi por Tradição que recebemos a Fé Católica e é por Tradição que a entregaremos aos nossos filhos. O Papa não está acima da Fé que lhe compete transmitir, especialmente se não a transmitir. Nas palavras do santo Arcebispo Marcel Lefebvre, «nenhuma autoridade, nem mesmo a mais alta da hierarquia, pode forçar-nos a abandonar ou a diminuir a nossa Fé Católica, tão claramente expressa e professada pelo Magistério da Igreja durante dezanove séculos».  

Dean Barker  

Através de The Remnant Newspaper

Enviar um comentário

1 Comentários

  1. "Porquê sofrer pela Sagrada Tradição?

    Por conseguinte, sofremos pela Sagrada Tradição porque as nossas almas sofreriam eternamente sem ela.
    Foi por Tradição que recebemos a Fé Católica e é por Tradição que a entregaremos aos nossos filhos.
    O Papa não está acima da Fé que lhe compete transmitir, especialmente se não a transmitir.
    Nas palavras do santo Arcebispo Marcel Lefebvre, «nenhuma autoridade, nem mesmo a mais alta da hierarquia, pode forçar-nos a abandonar ou a diminuir a nossa Fé Católica, tão claramente expressa e professada pelo Magistério da Igreja durante dezanove séculos».

    Viva Cristo Rei, Senhor dos Senhores, Rei dos Reis.
    Amén

    ResponderEliminar

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários privados, queira escrever-nos para: info@diesirae.pt.