«Pela graça de Deus, as sortes da Igreja não estão nas mãos do Argentino», adverte Viganò

A iniciativa “The Viganò Tapes” consiste em dezoito pequenos vídeos que se traduzem em outras tantas perguntas dirigidas ao Arcebispo Carlo Maria Viganò, antigo Núncio Apostólico em Washington, sobre a situação actual da Igreja e do mundo. O portal Dies Iræ disponibiliza, em língua portuguesa, o texto da quarta pergunta-resposta.      

+

           
4. Segundo Vossa Excelência, como se enquadra o recente Motu Proprio Traditionis Custodes no contexto do que está a acontecer a nível global?     

A decisão de abolir a Liturgia tradicional – que, em 2007, foi devolvida à Igreja por Bento XVI – não é um facto em si e deve ser contextualizada numa óptica mais ampla. Bergoglio actua em duas frentes: uma ideológica, com a qual deseja impedir qualquer expressão de dissidência a respeito do fracasso do novo curso conciliar; uma de cunho espiritual, destinada a impedir a propagação do bem objectivo do Santo Sacrifício da Missa para favorecer aqueles que naquela Missa vêem um terrível obstáculo à instauração da Nova Ordem – Novus Ordo S
æculorum –, ou seja, do reino do Anticristo.         

Não é possível acreditar que Bergoglio não tenha muito claras as consequências derivantes da sua decisão ou que não perceba que privar a Igreja da Missa apostólica representa uma ajuda aos inimigos de Cristo e ao próprio demónio. É como se, em plena batalha, o comandante de uma formatura ordenasse aos seus soldados que combatessem contra os tanques usando fundas, depondo as armas mais eficazes que permitiriam a vitória sobre o adversário.   

Estou convencido de que os fiéis, numerosos sacerdotes e alguns bispos começam a compreender que a questão da Missa tradicional não se esgota numa simples diferença de opiniões em matéria litúrgica, e por isso perguntam-se como é possível que Bergoglio demonstre tanto ódio por um rito sacrossanto e milenar, se não vendo nele uma ameaça à realização do plano mundialista que defende. Pela graça de Deus, as sortes da Igreja não estão nas mãos do Argentino, sobre cujos restos já se movem os abutres vaticanos.

O vídeo do quarto episódio encontra-se disponível aqui.

Enviar um comentário

0 Comentários