D. Athanasius Schneider diz que declarações do Papa são «uma espécie de ensinamento sola fide de Martinho Lutero»

O Bispo Athanasius Schneider respondeu à sugestão do Papa Francisco de que os Dez Mandamentos não são absolutos, descrevendo as palavras do Papa como contraditórias às Escrituras e seguindo os ensinamentos do heresiarca Martinho Lutero. 

Em comentários exclusivos para LifeSiteNews, Schneider destacou dois problemas principais com a negação do Papa da natureza vinculativa do Decálogo. Primeiro, que contradizem uma encíclica do Papa João Paulo II e, segundo, que contradizem o ensinamento expresso do Catecismo da Igreja Católica (CIC).   

A problemática afirmação foi declarada pelo Papa, na quarta-feira, na sua audiência geral: «Desprezo os Mandamentos? Não! Observo-os, mas não como absolutos, pois sei que quem me justifica é Jesus Cristo».     

As observações do Papa foram feitas em resposta a uma pergunta feita pelo próprio sobre se ele vive com medo de «que, se eu não fizer isto, irei para o inferno?».   

Comentando essas palavras, Schneider observou, em termos inequívocos, que a declaração de Francisco «contradiz o ensinamento da Igreja e é muito mais uma espécie de ensinamento sola fide de Martinho Lutero».           

O Bispo Auxiliar de Astana, no Cazaquistão, explicou que a afirmação do Papa também «contradiz a encíclica Veritatis Splendor, do Papa João Paulo II».  

Schneider citou o predecessor de Francisco, que escreveu que «no Antigo Testamento já encontramos admiráveis ​​testemunhas de fidelidade à santa lei de Deus, até ao ponto de uma aceitação voluntária da morte. Um excelente exemplo é a história de Susana: em resposta aos dois juízes injustos que ameaçaram condená-la à morte se ela se recusasse a ceder à sua paixão pecaminosa, ela diz: “Estou sujeita a aflições de todos os lados! Se faço isso, é para mim a morte. Se não o faço, nem mesmo assim vos escaparei. Mas é preferível para mim cair em vossas mãos sem ter feito nada, do que pecar aos olhos do Senhor” (Dn 13, 22-23)».        

«Susana, preferindo “cair sem ter feito nada” nas mãos dos juízes», continuam as palavras do falecido pontífice, «dá testemunho não apenas da sua fé e confiança em Deus, mas também da sua obediência à verdade e ao absoluto da ordem moral».    

Schneider também observou que o CIC contradiz claramente as declarações recentes do Papa Francisco, ensinando que os cristãos estão sempre vinculados à proscrição da Lei. O número 2072 do CIC, enfatizou, declara: «São basicamente imutáveis e a sua obrigação impõe-se sempre e em toda a parte. Ninguém pode dispensar-se dela».    

Também na quarta-feira, o Papa Francisco divulgou um vídeo no qual exortava as pessoas em todo o mundo a tomar uma das vacinas experimentais COVID-19. Francisco não mencionou a ligação entre as vacinas e os abortos históricos, mas, em vez disso, referiu-se a receber uma vacina COVID-19 como «um acto de amor».  

Francisco acrescentou que ajudar outras pessoas a receber as vacinas contaminadas pelo aborto também é «um acto de amor. Amor por si mesmo, amor pelas nossas famílias e amigos, e amor por todas as pessoas».  

Através de LifeSiteNews

Enviar um comentário

1 Comentários

  1. "A problemática afirmação foi declarada pelo (Papa), na quarta-feira, na sua audiência geral: «Desprezo os Mandamentos? Não! Observo-os, mas não como absolutos, pois sei que quem me justifica é Jesus Cristo»".

    Meu Deus, a sério, quem é este homem, que assim fala.

    lucifer, disse não servirei, e ele mesmo se condenou.

    Desprezo os Mandamentos? Não! Observo-os, mas não como absolutos,

    Põe Deus, como mentiroso, Jesus disse, observai os Mandamentos, será ele maior que o Mestre?.

    Como pode este homem, ser obedecido quando os ensinamentos dele, são contrários há Sagrada Escritura que nos manda Observar os Mandamentos na sua totalidade.

    Como podem estar em comunhão os Sacerdotes da Santa Igreja, com este herege, apostata, excomungado, idolatra, hipócrita, ao dar ensinamento contrários há Sagrada Escritura, diz muito claramente, seja Anátema, diz o Santo Evangelista, quem vier e querer ensinar diferentemente, mesmo que seja um Anjo, não acrediteis.

    Meu Deus, estes são os fins dos tempos, estamos a viver um tempo de total apostasia.

    a começar por quem tomou o lugar do Apóstolo São Pedro.

    Meu Deus, Misericórdia, a barca de S. Pedro está a afundar-se, e não se vê quem tome os remos, deite fora o que não presta.

    Aonde estão os Bispos, os Cardeais, os Sacerdotes, todo o clero, Aonde Está???,

    para assim deixarem afundar a Barca de S. Pedro.

    Será, que estão há espera, que seja o Senhor Jesus Cristo, onde estão os Homens, que Ele formou, nós os leigos, o que podemos fazer é dar a nossa Vida, nos ajuntar ao verdeiro Clero e ajudá-los, nesta tremenda luta, de vida ou de morte,

    O Senhor disse, a Pedro apascenta as Minhas Ovelhas... então, Clero, acordem, que as Ovelhas do Supremo Pastor estão a ser dizimadas, pelos lobos.

    Não perceberam ainda? e a perder as Suas Almas, vocês terão que responder ao Supremo Juiz.

    Paz e bem,

    Nota: No Código Canónico, havia de ter uma anotação, para destituir, alguém que tivesse um comportamento adverso, ao que lhe fosse esperado, das duas uma, ou este homem está muito doente da cabeça, incapaz e ser internado compulsivamente, ou então mesmo destituído por incapacidade de governação.

    Não faz sentido nenhum, este homem, doente, incapaz de se manter à frente da Santa Igreja, e tão criminoso é o que assim pratica tais actos, como aqueles que deviam tomar as rédeas, falar e actuar e nada fazem.







    ResponderEliminar

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários privados, queira escrever-nos para: info@diesirae.pt.