A Fundação Gates investirá 2,1 biliões de dólares em contraceptivos para promover a «igualdade de género»

A Fundação Bill e Melinda Gates impulsionará um maior acesso a contraceptivos, durante os próximos cinco anos, como parte da sua nova iniciativa para promover a «igualdade de género», na qual investirá 2,1 biliões de dólares. «Sabemos que, quando as mulheres controlam os seus corpos e o seu futuro, abrem um ciclo de empoderamento que afecta as gerações vindouras», escreveu Melinda Gates numa publicação no site da fundação.       

Nos próximos cinco anos, a fundação gastará, por ano, cerca de 420 milhões para promover «o empoderamento económico das mulheres, fortalecer a saúde e o planeamento familiar de mulheres e meninas, e apoiar a liderança das mulheres».

Gates acrescentou que também afirmavam o seu «compromisso de 20 anos com o planeamento familiar, apoiando os nossos parceiros para desenvolver novas e melhores tecnologias contraceptivas e satisfazer as necessidades de mulheres e meninas por cuidados de alta qualidade».

O Wall Street Journal assegurou que a Fundação Gates tem como objectivo «elevar as mulheres» a postos de liderança através de «serviços de planeamento familiar». De acordo com o artigo, a fundação gastou 296 milhões de dólares em iniciativas de planeamento familiar em 2018. Gates prometeu 1 bilião de dólares, em 2019, para a «igualdade de género». Desde o seu estabelecimento, em 1997, por Bill e Melinda Gates, a organização tem um longo historial de promoção e financiamento do aborto e dos contraceptivos.     

Através de InfoCatólica

Enviar um comentário

1 Comentários

  1. Nos próximos cinco anos, a fundação gastará, por ano, cerca de 420 milhões para promover «o empoderamento económico das mulheres, fortalecer a saúde e o planeamento familiar de mulheres e meninas, e apoiar a liderança das mulheres».

    Será mesmo?

    "saúde, que saúde???, planeamento familiar de mulheres e meninas, que planeamento???, será que se planeia a vida familiar num globalismo?, esse planeamento deve ser feito a nível familiar, não a nível global, o mais chocante é ser também as meninas, esse trabalho cabe aos pais, não a globalistas., e apoiar a liderança das mulheres, as mulheres já adultas precisam de um tutor?, a sério, isto é muitooo sério.

    ou será, antes uma escravidão global.!!!!

    Tenho imensa pena dos jovens, mesmo.

    isto está a tornar-se a china de Xi jinping, ou lutamos ou morremos....

    Paz e bem



    ResponderEliminar

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários privados, queira escrever-nos para: info@diesirae.pt.