A armadilha de “ser homossexual”

Tenho a prévia sensação de que este artigo será mal interpretado por muitos, mas arrisco expressar a minha teoria por fidelidade à verdade, tanto natural como moral. Simplesmente creio que é um erro afirmar que alguém “é homossexual”; e é um erro se for feito com a intenção de exaltar a ideologia de género (para fazer apologia da homossexualidade) ou se for feito para ofender alguém que se sente atraído por pessoas do mesmo sexo (usando insultos comuns da linguagem popular). E é um erro porque, sendo fiel à verdade (científica, biológica e natural), ninguém é homossexual. Aqueles que dizem “ser” homossexuais, na verdade, sentem-se assim, mas não são assim. É um ataque frontal à ontologia afirmar o “ser” rebaixando-o à categoria do “sentir”. E argumento-o de forma muito básica:

1. Até ao momento, a ciência não foi capaz de provar que exista um gene homossexual. Não há outro cromossomo diferente do X ou do Y. A ciência mostra que existe o masculino e o feminino, e, como consequência directa, toda a homossexualidade enquadra-se na categoria de “tendência” ou “orientação”, mas não genética.     

2. Então, um homem que se sente atraído por outro homem não é, cientificamente, homossexual, mas tem no seu interior essa tendência dentro da sua masculinidade. Sente-se homossexual, mas não é homossexual. O mesmo aplica-se às mulheres. Acrescento uma recente citação do Arcebispo de Granada, Mons. Martínez, no contexto da apresentação das novas leis “lgtbi”: «a realidade é a realidade» e «quem nasceu homem ou mulher sê-lo-á sempre», «ponham-lhe as hormonas que lhe puserem» ou à margem «das operações que lhe façam».         

Noutros artigos publicados nesta e noutras páginas de informação católica tradicional, enfatizou-se bastante (e de forma necessária) sobre aspectos como a gravidade moral do pecado da sodomia (um dos que «clama ao céu» expresso na Bíblia), ou como a imposição anticristã totalitária dos actuais poderes políticos que usam a homossexualidade como ideologia oportunista para os seus fins, ou como de dentro da própria Igreja existem correntes de filiação homossexual que tentam, aos poucos, conseguir que a mesma seja aceite no seu exercício sexual, despojando-a de toda a punição moral. Creio que temos material abundante, e muito bem argumentado, sobre este assunto, mas opino que raramente paramos para reflectir sobre o fabuloso engano que supõe elevar a homossexualidade a categoria essencial (ontológica), tanto para procurar a sua plena “normalização” (civil, ética e até religiosa) como para cair no erro de condenar a pessoa pelo que sente a partir da acusação que a indica pelo que, supostamente, é.        

É, pois, urgente e oportuno desmascarar a falsidade linguística que confere o “ser” ao que é apenas “sentir”. E embora esta tarefa não seja a principal na formação moral das consciências, ouso afirmar que é condição de possibilidade para que a mesma formação moral não se tropece a si mesma num erro intelectual que faça perder a razão (pela forma), mesmo que a tenha no fundo.          

P. Ildefonso de Asís   

Através de Adelante la Fe

Enviar um comentário

1 Comentários

  1. "É, pois, urgente e oportuno desmascarar a falsidade linguística que confere o “ser” ao que é apenas “sentir”. E embora esta tarefa não seja a principal na formação moral das consciências, ouso afirmar que é condição de possibilidade para que a mesma formação moral não se tropece a si mesma num erro intelectual que faça perder a razão (pela forma), mesmo que a tenha no fundo".

    Eu vou mais longe, e não poupo nas palavras, abastardamento das mentes e consciências, o que diria o meu avô, falta de Oração e de trabalho, a Ociosidade e costumes mundanos, com falta de Educação, era de um chicote, umas valentes palmadas e correção que precisavam.

    Quando as pessoas, têm muito tempo livre, ou seja ociosidade, criam-se vícios aliados com a influência do diabo que sempre espreita por ocasiões para induzir os homens e as mentes ao pecado.
    Homens fracos, mentes fracas, espíritos fracos, eis a dose certa, para induzir os homens e mulheres à depravação moral, espiritual, depois de um pecado segue a outros sem nunca parar. Por isso, Nosso Senhor, bem nos alerta, Orai sem cessar, não deis lugar ao demónio que não dormirá, enquanto vos não perverter.

    Se Deus, nos criou à Sua Imagem e semelhança, não nos criou com estes defeitos, mas foram sim pervertidos pelo pecado.

    O inferno não descansa, aliado como está pelos seus sequazes, humanos, pervertidos, que com estas ideologias saídas do inferno e espalhadas na terra, que estão pervertendo a muitos, é com muito pesar, que estes desgraçados venham impor, sobre aquilo que Deus determinou para a Raça Humana, pervertendo tudo à sua volta.

    O mais desgraçadamente é a imposição sobre a forma de Leis Iníquas, sobre a Humanidade de ser obrigado aceitar toda esta perversão bastarda.

    O mais chocante de tudo é de governos, se deixarem manipular por estes grupos, ideológicos e ainda mais grave é de serem apoiados pelos bastardos do vaticano que agora e desgraçadamente governam a que devia de ser a Santa Igreja Católica Apostólica Romana, mas infelizmente é governada, por este apostata, herege, sem vergonha.

    e por um bidé sem vergonha e outros, por esse mundo fora e sobretudo no Mundo Ocidental, e se teve este apogeu destas imundas ideologias, nunca em tempo nenhum da história da Humanidade se viu tamanho deboche.

    E nunca se Ofendeu tanto a Deus como o que está a acontecer, actualmente.

    Mas, o tempo de Deus, virá, se pensam que ficarão impunes, desenganem-se.

    Paz e bem



    ResponderEliminar

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários privados, queira escrever-nos para: info@diesirae.pt.