One of Us pede que o Parlamento Europeu rejeite o relatório Matić

O relatório, amplamente criticado por numerosas organizações da sociedade civil, foi redigido pelo eurodeputado socialista croata Fred Matić e é a segunda tentativa da ala esquerda do Parlamento Europeu de impor a polémica ideologia de género a nível europeu, após o badalado fracasso do seu antecessor em 2013, o relatório Estrela, derrubado pela maioria do Parlamento pelo seu radicalismo e pela tentativa de invadir competências exclusivas dos Estados.         

Embora se desconheça a data exacta da votação deste relatório, é provável que tenha lugar na próxima sessão plenária, que se realizará nos dias 23 e 24 de Junho.          

Foi por isso que a Federação Europeia One Of Us fez público um comunicado no qual adverte que o relatório Matić «não defende os direitos humanos, porque o aborto não é um direito humano. Nunca foi e nunca será. Não foi reconhecido por nenhuma declaração ou por qualquer tribunal internacional como um direito humano».                  

One of Us assegura que o relatório «ultrapassa as competências da União Europeia (UE), abordando questões como a saúde, a educação sexual e a reprodução, bem como o aborto e a educação, que são poderes legislativos dos Estados-Membros e não da UE».    

Alerta também que «os princípios e fundamentos europeus de respeito pelos direitos humanos, o Estado de direito, as tradições dos cidadãos europeus e a soberania dos Estados-Membros são inerentes às raízes e aos princípios da União Europeia. Se estes valores forem esquecidos ou pisoteados, a União Europeia perde o sentido que teve desde a sua fundação, convertendo-se num totalitarismo face à nossa convivência». 

One of Us constata que o relatório Matić «viola a dignidade da mulher, propondo a contracepção e o aborto em vez da maternidade. Este relatório cria uma mensagem da UE que mina a dignidade e a singularidade das mulheres enquanto mães. Ao invés de oferecer verdadeiras alternativas às mulheres que estão à espera de um filho, informando-as adequadamente e como se espera em qualquer campo sanitário ou farmacológico, oferece-lhes a eliminação do filho que está no seu útero como opção única ou preferencial. Isto afecta directamente a dignidade da mulher na sua maternidade e também afecta o direito à objecção de consciência». 

«Os cidadãos europeus exigem que as instituições europeias trabalhem na resolução dos problemas que surgem na nossa sociedade sem imposições ideológicas», sublinha o comunicado.         

Por último, One of Us solicita ao Parlamento Europeu «que anule este relatório tão iníquo e surpreendente. Como cidadãos europeus comprometidos com a saúde das mulheres de diferentes idades, pedimos aos nossos representantes parlamentares europeus uma reformulação urgente deste assunto».                 

Através de InfoCatólica

Enviar um comentário

0 Comentários