«Nesta hora de graves desvios na Hierarquia, o empenho dos leigos é essencial e importantíssimo», aponta Viganò

Ontem, no estado do Illinois, nos Estados Unidos da América, realizou-se uma iniciativa, que reuniu mais de um milhar de clérigos e leigos, em defesa dos sacerdotes católicos que, ao longo do tempo, têm vindo a ser perseguidos e ostracizados pelos seus Superiores por assumirem posições ortodoxas e celebrarem os Santos Mistérios em fidelidade à Tradição da Igreja. O Arcebispo Carlo Maria Viganò, antigo Núncio Apostólico em Washington, dirigiu, na pessoa da advogada Elyzabeth Yore, uma mensagem aos presentes. A pedido de Sua Excelência Reverendíssima, o portal Dies Iræ traduziu e disponibiliza, em exclusivo para língua portuguesa, a mensagem enviada.          

+


24 de Junho de 2021
In Nativitate S. Joannis Baptist
æ


Caríssimos sacerdotes,          
Caríssimos fiéis leigos,          

É com extrema satisfação que recebo a notícia da louvável iniciativa que a vê empenhada, juntamente com o Reverendo Padre James Altman, na defesa dos sacerdotes perseguidos pelos seus Superiores por causa da sua fidelidade ao Magistério imutável da Igreja e à venerável Liturgia apostólica.     

Não posso senão encorajá-la de todo o coração, e aos seus colaboradores, por este projecto, que espero que encontre o apoio generoso de muitos fiéis leigos e, talvez, de alguns bons Irmãos. Nesta hora de graves desvios na Hierarquia, o empenho dos leigos é essencial e importantíssimo: esse concretiza as palavras proféticas do venerável Arcebispo Fulton Sheen, que, falando dos Últimos Tempos, recordou como a salvação da Santa Igreja seria conseguida – para além, claro, da intercessão da
Mater Ecclesiæ junto do trono do Seu divino Filho – pelo corajoso contributo dos leigos.

Nestes tempos de apostasia, em que o cisma de facto dos Pastores rebeldes alemães e de tantos outros no mundo não só não é punido, mas quase parece ser encorajado pelos mercenários que ocupam o topo da Igreja, é de grande consolação assistir a este despertar dos bons, prontos a atender às necessidades materiais dos sacerdotes perseguidos e a apoiá-los com a oração e com gestos tangíveis daquela Caridade que, ao longo da história, sempre deu provas inequívocas da novidade do Evangelho.  

Não esqueçamos que, se houve um tempo em que os Sagrados Ministros eram respeitados pela sua conduta de vida e pelo exemplo que ofereciam ao mundo, Satanás nunca desistiu de desencadear o seu ódio contra aqueles que mais teme entre os homens. Porque graças aos sacerdotes renova-se, de forma incruenta nos nossos altares, o divino Sacrifício que decretou a derrota do Inimigo do género humano.          

Nosso Senhor, Sumo e Eterno Sacerdote, chamou bem-aventurados os Seus Ministros quando disse: «Felizes sereis quando vos insultarem e perseguirem, e, mentindo, disserem todo o género de calúnias contra vós por minha causa. Exultai e alegrai-vos, porque grande será a vossa recompensa no Céu; pois também assim perseguiram os profetas que vos precederam» (Mt 5, 1-12). A perseguição é, pois, uma manifestação da natureza sacrificial do Sacerdócio, seguindo o exemplo de Cristo: quem oferece o sacrifício deve ser, ao mesmo tempo, também vítima, oblação à Divina Majestade. Angustia que, hoje, tenhamos de contar entre os perseguidores não apenas os inimigos de Deus que estão longe da Igreja, mas também aqueles que o Senhor colocou como Pastores a guardar o Seu Rebanho. Podemos tremer ao pensar na punição que os espera, que será tanto mais severa quanto maior é a responsabilidade daqueles que, constituídos em autoridade em nome de Cristo, se enfurecem com crueldade sobre os inocentes e mostram escandalosa conivência com os culpados.

Permito-me exortar a todos vós, caros fiéis leigos, não só a empenhar-vos com renovado zelo nesta obra de verdadeira misericórdia corporal e espiritual para com os bons sacerdotes, mas também a rezar e a oferecer penitências e sacrifícios pela conversão dos maus Pastores e de quantos, abusando da própria autoridade, perseguem os que praticam o bem e pregam a Verdade católica opportune importune. O regresso de tantos extraviados ao Redil de Cristo, a sua resipiscência e a consciência da traição cometida contra o Senhor e a Sua Santa Igreja, será a maior vitória que podemos esperar e que, com confiança, imploramos à Santíssima Virgem, Mãe dos Sacerdotes, que nos conceda.

Sobre todos vós, e particularmente sobre os amados sacerdotes ostracizados, ridicularizados, afastados das suas comunidades, atingidos por sanções ilegítimas e feridos na sua honra, invoco a mais larga Bênção. Sabei que tendes um lugar especial na minha oração e no meu coração sacerdotal.    

Carlo Maria Viganò, Arcebispo

Enviar um comentário

1 Comentários

  1. Avé Maria, Gracia plena, Dominus tecum....

    Sobre todos vós, e particularmente sobre os amados sacerdotes ostracizados, ridicularizados, afastados das suas comunidades, atingidos por sanções ilegítimas e feridos na sua honra, invoco a mais larga Bênção. Sabei que tendes um lugar especial na minha oração e no meu coração sacerdotal.

    Paz e bem

    ResponderEliminar

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários privados, queira escrever-nos para: info@diesirae.pt.