O governo irlandês proíbe a Comunhão na boca

O governo visceralmente anticatólico da Irlanda decidiu graciosamente permitir que as Missas públicas voltem no próximo dia 10 de Maio, mas não sem estabelecer mudanças radicais na própria liturgia do Santo Sacrifício.           

É curioso que a Irlanda tenha lutado por tantos séculos para se libertar do jugo inglês apoiando-se numa fé, a católica romana, que agora abandona tão alegremente e cujos sagrados ritos permite ao governo determinar.           

Com a desculpa da pandemia, o governo de Dublin impôs o encerramento mais draconiano e discriminatório ao culto em toda a Europa, e agora, que decidiu tolerar a reabertura dos templos, impõe, ainda assim, as suas normas absurdas na Santa Missa.    

Como a proibição da Comunhão na boca, um abuso que, é preciso reconhecê-lo, não só se universalizou, mas foi aconselhado pelo alto clero e mesmo tornado obrigatório em muitos outros lugares, como no exemplo da Diocese de San Rafael, na Argentina. Mas ainda não se havia dado o caso de um governo secular a decidir sobre o assunto.        

Há mais. Por exemplo, foi decretado que os ministros da Comunhão devem usar máscaras ou ficar atrás de um biombo e desinfectar as mãos. Os fiéis também se devem desinfectar antes de receber a Comunhão.       

Sugere-se até que «a Comunhão possa ser colocada em copos ou recipientes descartáveis ​​individuais e deixá-los numa bandeja ou mesa para a sua recolha», como num restaurante de comida ao domicílio.                     

Carlos Esteban          

Adaptado de InfoVaticana        

Enviar um comentário

1 Comentários

  1. Com luvas de latex.
    É assim, que tratam o Senhor?

    Como se no Senhor, estivesse o corona virus.

    Mais depressa estará a alma putrificada de quem assim actua.

    A sério, isto é demais, isto faz-nos muito mal.

    Perdão, Senhor, Perdoai, Senhor mais estes pecados que não tem fim, até quando...

    Viva O Senhor e Sua SS. Mãe

    Paz e bem



    ResponderEliminar

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários privados, queira escrever-nos para: info@diesirae.pt.