Irlanda penaliza as confissões ao ar livre

As restrições impostas contra a pandemia aguçaram a inteligência dos sacerdotes mais zelosos. Assim, onde tinham que fechar os templos, espalhou-se, entre alguns, a prática de anunciar a sua presença num determinado ponto ao ar livre onde se pudessem confessar os penitentes. Agora, as autoridades irlandesas converteram essa prática num delito.

A lei recentemente aprovada na Irlanda sobre as reuniões de carácter religioso torna ilegal – e punível – até as confissões em espaços abertos, uma prática que se espalhou em vários países devido ao encerramento de templos, protagonizada espontaneamente por sacerdotes preocupados com a alma dos fiéis.

Essa é, pelo menos, a opinião de Oran Doyle, professor da Faculdade de Direito do Trinity College de Dublin, em declarações ao jornal The Irish Catholic. Doyle observa que as disposições da nova norma aplicam as restrições tanto às actividades nos interiores como ao ar livre, algo que a torna diferente à aplicada a outras ocupações restritas.

Para Doyle, a criminalização deste último recurso para administrar um sacramento essencial para um cristão prova, inegavelmente, que o governo de Michéal Martin mente quando assegura que o seu gabinete não se move por um «espírito anti-religioso em nenhum sentido».

Carlos Esteban

Através de InfoVaticana

Enviar um comentário

1 Comentários

  1. A solidão de um bom Sacerdote, contrasta com a incompreensão de um governo ateu.

    Enquanto um se preocupa com a Salvação eterna, outro penaliza e leva à morte eterna uma nação.

    ResponderEliminar

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários privados, queira escrever-nos para: info@diesirae.pt.