Cardeal Sarah escreve carta aos sacerdotes perseguidos em Paris

No seguimento da notícia da detenção de dois sacerdotes, aquando da Vigília Pascal, em França, e da abertura de um processo por parte da Arquidiocese de Paris, Sua Eminência o Cardeal Robert Sarah, Prefeito emérito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, enviou uma carta ao Pároco de Saint-Eugène-Sainte-Cécile, P. Marc Guelfucci, que o portal Dies Iræ traduziu e disponibiliza, em exclusivo para língua portuguesa, aos seus leitores.


+

Estimado pároco,      

«Ferirei o pastor e as ovelhas do rebanho serão dispersas» (Mt 26, 31), disse Jesus na tarde da Quinta-feira Santa, citando o profeta Zacarias: «Fere o pastor para que se dispersem as ovelhas» (13, 7). Esta frase da Sagrada Escritura veio-me espontaneamente à mente quando li os numerosos artigos e reportagens sobre a Vigília Pascal deste ano na Igreja de Saint-Eugène-Sainte-Cécile em Paris.

Desejo expressar-lhe, assim como ao Padre Gabriel Grodziski, o meu apoio e compaixão nesta provação que está a atravessar como pároco e, portanto, como pastor de almas, e peço-lhe que transmita aos paroquianos da Igreja de Saint-Eugène-Sainte-Cécile a certeza da minha mais fervorosa oração, especialmente no altar do Santo Sacrifício da Missa. Recordo com alegria e acção de graças a minha preciosa visita, em Março de 2015, que me permitiu apreciar o acolhimento de uma comunidade paroquial cujo fervor me comoveu.       

A todos abençoo de coração, confiando-vos a Nossa Senhora da Consolação e a São José, Protector da Igreja universal, neste ano a ele consagrado.        

Desejando-lhe bom ânimo e uma confiança inabalável em Deus à luz da Páscoa, que celebramos neste momento com alegria, transmito-lhe os meus mais calorosos sentimentos em Cristo ressuscitado, assegurando-lhe as minhas orações pelo seu ministério sacerdotal em Saint-Eugène-Sainte-Cécile.     

Robert Card. Sarah   

Publicar um comentário

1 Comentários

  1. Desejando-lhe bom ânimo e uma confiança inabalável em Deus à luz da Páscoa, que celebramos neste momento com alegria, transmito-lhe os meus mais calorosos sentimentos em Cristo ressuscitado, assegurando-lhe as minhas orações pelo seu ministério sacerdotal em Saint-Eugène-Sainte-Cécile.

    Só isto???
    que pobreza de palavras e de espírito a quem está a ser perseguido, pelos bergolianos.

    a sério, cada vez mais digo, com maior fervor,

    Vinde, Senhor, Jesus, Vinde depressa.....


    ResponderEliminar

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários privados, queira escrever-nos para: info@diesirae.pt.