Cardeal africano exorta os católicos a oporem-se ao casamento homossexual

Se a proibição de abençoar parelhas homossexuais desencadeou uma tormenta sem precedentes por parte de católicos alemães e austríacos – incluindo bispos e padres – decididos a protestar e a desobedecer a Roma, na África, pelo contrário, a situação é muito diferente.      

O diário italiano Il Messaggero traz-nos um exemplo. Durante a Vigília Pascal, num discurso do Cardeal Philippe Ouédraogo, do Burkina Faso, o purpurado convidou os cristãos a rebelarem-se contra todas as formas de casamento entre pessoas do mesmo sexo.

O Arcebispo de Uagadugu exortou as famílias cristãs africanas a oporem-se aos projectos legislativos que avançam em vários países do continente apoiados por lobbys que apoiam e querem impor o casamento entre pessoas do mesmo sexo e a promiscuidade. «Adoptando os valores positivos da modernidade, como sujeitos activos do futuro do mundo, as famílias cristãs devem rebelar-se contra o imperialismo de certos lobbys e associações que apoiam e querem impor o casamento entre pessoas do mesmo sexo, a libertinagem».

O purpurado também rejeitou a poligamia e o adultério, explicando que a indissolubilidade do matrimónio cristão continua a ser um ponto para a Igreja e para o magistério. Ao mesmo tempo, nas palavras proferidas durante o dia da Páscoa, também teve uma reflexão sobre a «insidiosa aplicação de métodos anticoncepcionais antinatalistas às mulheres e às meninas. Todo o cristão deve, como São José, acolher a vida humana, estar disponível para ela e protegê-la», exortou, afirmando que, na Páscoa, a família humana, «desintegrada pelo pecado, é reconstruída na sua unidade pelo poder redentor da morte e ressurreição de Cristo».          

Que querem que lhes diga, entre o que se ouve nalgumas zonas europeias e o que nos chega de África, fico com o segundo.         

Através de InfoVaticana            

Publicar um comentário

1 Comentários

  1. Também sou da mesma opinião, nem mais, nem menos. fico pela segunda, há que perseverar no caminho que nos manda o Senhor.

    Só há uma coisa, o Glorioso Patriarca S. José, como Santo que é, nos convida à Castidade, Castidade no Casamento, Castidade nos solteiros. Castidade nos pensamentos e desejos.
    O Glorioso S. José, não serve de exemplo para uma familia normal, destinada a acolher a vida, que essa familia pode ter.
    O Glorioso Patriarca S. José, tinha Deus o destinado, para uma outra missão.

    o Corpo do Homem e da Mulher em estado de Graça é morada do Divino Espirito Santo.

    Não devemos fazer do nosso corpo, um parque de diversões.

    Quanto aos africanos, eles também não servem de exemplo para ninguém, porque eles , poucos homens existem que não tenham filhos numa data de mulheres, portanto, muito haveria a dizer, em desfavor do que o Bispo aí prega, na questão da familia, mas é bom que exorte os africanos a praticar o que ouvem dos seus bispos..

    »O Arcebispo de Uagadugu exortou as famílias cristãs africanas a oporem-se aos projectos legislativos que avançam em vários países do continente apoiados por lobbys que apoiam e querem impor o casamento entre pessoas do mesmo sexo e a promiscuidade. «Adoptando os valores positivos da modernidade, como sujeitos activos do futuro do mundo, as famílias cristãs devem rebelar-se contra o imperialismo de certos lobbys e associações que apoiam e querem impor o casamento entre pessoas do mesmo sexo, a libertinagem»».

    Nisto, estou completamente de acordo.

    Penso que também nós os Europeus, os Católicos, deviamos nos revelar muito mais do que aquilo que estamos a fazer.

    Temos que ir á luta, e fazer ouvir bem alto o nosso descontentamento, por estas situaçoes bizarras, perigosas que estão a acontecer, até mesmo para a nossa sobrevivência.

    Que Deus intervenha e nos ajude.





    ResponderEliminar

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários privados, queira escrever-nos para: info@diesirae.pt.