O caso de Bose revela a ambiguidade de Roma

A dura batalha que opõe o fundador da Comunidade de Bose, Enzo Bianchi, ao seu sucessor, Luciano Manicardi, é mais uma demonstração da distância que, neste pontificado, existe entre a retórica da transparência e da justiça, e a realidade feita de opacidade e arbitrariedade. Assim, Enzo Bianchi é mais um caso de personagem que passa das estrelas aos estábulos, da manga do Papa Francisco ao desprezo público, num piscar de olhos e sem que venha explicado o porquê.

A história é bem conhecida: depois da renúncia de Prior da Comunidade de Bose (Diocese de Biella) e a eleição do sucessor, Luciano Manicardi, em Janeiro de 2017, logo circularam rumores sobre as dificuldades de relacionamento entre o antigo e o novo curso na singular comunidade monástica, que representa uma experiência ecuménica e é composta por homens e mulheres. O conflito veio à tona com a visita apostólica, enviada pela Santa Sé, em Dezembro de 2019, e, depois, com o decreto, de 13 de Maio de 2020, com o qual o Secretário de Estado, Cardeal Pietro Parolin – com a aprovação do Papa –, intimava Enzo Bianchi a afastar-se definitivamente de Bose. Sucessivamente, identificado o destino de Bianchi numa casa, na Toscana, propriedade da Comunidade de Bose, a situação permaneceu estagnada e Enzo Bianchi nunca se mudou do ermo onde já residia, no terreno da Comunidade de Bose.            

A situação, então, explodiu nos dias sucessivos quando, primeiro, o Papa interveio directamente no caso, confirmando, na véspera da partida para o Iraque, o decreto de Maio de 2020. E, depois, com o comunicado de Enzo Bianchi, de 5 de Março, em que relata a sua verdade, acusando o seu sucessor de não ter respeitado os acordos alcançados, com a Secretaria de Estado vaticana, sobre as condições da sua transferência; e, na prática, de querer atirá-lo para a rua, impedindo-lhe também a vida monástica longe de Bose. 

Os tons, de ambos os lados, são muito duros e constituem, certamente, um óptimo ponto de partida para a reflexão sobre o significado da fraternidade (outro conceito tão pregado em palavras, quanto desconsiderado nos factos), mas não é, principalmente, este o motivo por que nos interessamos pela “guerra de Bose”. Também é sabido que sempre fomos muito críticos em relação a esta experiência monástica e, em particular, em relação a Enzo Bianchi, que tantos danos causou, com a sua pregação heterodoxa e o seu poder mediático, na Igreja italiana não só. Não é, pois, a simpatia por ele ou pela experiência de Bose que nos leva ao interesse.           

Em vez disso, o que nos impressiona é a rapidez com que passou de favorito do Papa a réprobo. Recordamos as numerosas ocasiões em que foi recebido pelo Papa Francisco, cujos gestos públicos evidenciavam a grande estima por Enzo Bianchi. Nomeado consultor do Pontifício Conselho para a Unidade dos Cristãos, em 2014, foi indicado, pelo menos até Junho de 2017, como possível novo cardeal em cada avizinhar-se de Consistório; depois, novamente em 2018, foi nomeado, pelo Papa, auditor da Assembleia Geral do Sínodo dos Bispos sobre os jovens. Em seguida, a inesperada queda em desgraça e o envio da visita apostólica com tudo o que se seguiu.

Que tudo seja reconduzido ao desacordo sobre o exercício da autoridade na Comunidade de Bose – como dizem os comunicados oficiais – é, francamente, pouco credível. A dureza das sanções contra aquele que é o fundador da Comunidade só se pode explicar com acusações muito graves. A falta de transparência legitima, obviamente, qualquer tipo de especulação sobre as verdadeiras razões, o que não é justo para a comunidade cristã, que se escandaliza, nem para Enzo Bianchi, que não tem a possibilidade de se defender. Se coisas graves foram cometidas, é justo que se abra um processo canónico, como tantas vezes se disse.         

O vaticanista Sandro Magister observou, justamente, que o que inquieta é o recurso ao “decreto singular”, aprovado pelo Papa, “em forma específica”, ou seja, um instrumento canónico para impor uma pena de forma definitiva e irrecorrível. Um instrumento que, com este pontificado, se vai tornando costume, abrindo-se a uma forma de exercício arbitrário do poder.          

De resto, as carreiras fulminantes e as, igualmente, rápidas quedas em desgraça, típicas das revoluções e dos regimes, são também uma característica consolidada deste pontificado. Os casos dos Cardeais Theodore McCarrick e Angelo Becciu são os mais clamorosos: punidos publicamente sem nunca se chegar a uma verdade estabelecida perante um tribunal ou comissão regular. Dessa forma, no entanto, permanecem na obscuridade o sistema e as redes de cumplicidade que levaram os indivíduos a ser protagonistas de abusos sexuais ou de episódios de corrupção.        

Tal uso personalista e arbitrário da justiça faz nascer a suspeita de que se deseja sacrificar uma pessoa – garantindo-se, assim, também os aplausos das pessoas a quem o culpado é entregue – para salvar o sistema e continuar como sempre. Se queremos ser verdadeiramente credíveis na luta contra os abusos e a corrupção, precisamos de muito mais transparência. Começar com Bose não faria mal.                  

Riccardo Cascioli

Através de La Nuova Bussola Quotidiana          

Enviar um comentário

0 Comentários