Carta do Cardeal Joseph Zen ao Cardeal Robert Sarah

Desde o dia 22 de Março que não é possível a um sacerdote oferecer o Santo Sacrifício, de modo pessoal, na Basílica de São Pedro, no Vaticano. Vários já foram os Prelados que reagiram a esta usurpação de funções por parte da Primeira Secção da Secretaria de Estado de Sua Santidade. Ontem, o Cardeal Joseph Zen, Bispo emérito de Hong Kong, endereçou uma breve, mas muito significativa, carta ao Cardeal Robert Sarah, Prefeito emérito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos. Segue-se a tradução do portal Dies Iræ.      

+


Eminência caríssima,

Dor e indignação invadem o meu coração ao ouvir certas notícias inacreditáveis: proibiram as missas privadas em São Pedro!?

Se não fossem as restrições impostas pelo Coronavírus, eu apanharia o primeiro voo para ir a Roma e ajoelhar-me em frente à porta de Santa Marta até que o Santo Padre fizesse retirar aquele edital.

Era o que mais fortalecia a minha fé cada vez que vinha a Roma: às sete horas precisas entra-se na sacristia (quase sempre encontrava o santo homem, o Arcebispo e, depois, Cardeal Paolo Sardi), um jovem padre adianta-se e ajuda-me a vestir os paramentos, depois levam-me a um altar (na Basílica ou nas grutas, não me faz diferença, estamos na Basílica de São Pedro!). Penso que foram as missas que, na minha vida, celebrei com mais fervor e comoção, às vezes com lágrimas, rezando pelos nossos mártires vivos na China (agora abandonados e empurrados para o seio da igreja cismática pela “Santa Sé” [assim se apresentava aquele documento, de Junho de 2020, sem assinaturas e sem a revisão da Congregação para a Doutrina]).

É hora de reduzir o excesso de poder da Secretaria de Estado. Tirem as mãos sacrílegas da casa comum de todos os fiéis do mundo! Contentem-se por jogar a diplomacia mundana com o pai da mentira. Que façam da Secretaria de Estado “um covil de ladrões”, mas deixem em paz o devotado povo de Deus!

«Era noite!» (João 13, 30).

Seu irmão,

Joseph Zen, SDB        

Publicar um comentário

0 Comentários