quarta-feira, 11 de novembro de 2020

McCarrick, o lobby gay soma mais um ponto a favor

Quer se trate de uma operação-verdade, como foi anunciado, ou de uma «surreal operação de mistificação», como a imediatamente definiu o arcebispo Carlo Maria Viganò, não há dúvida de que o relatório McCarrick, apresentado, ontem, no Vaticano, é destinado a levantar mais questões do que as respostas que oferece.     

Enquanto se aguardam novos aprofundamentos específicos sobre a história do ex-cardeal arcebispo de Washington Theodore McCarrick, há duas questões que saltam à vista, ambas ligadas à homossexualidade: a primeira é a tolerância da prática homossexual, mesmo entre o clero; a segunda está na ocultação da existência de um lobby gay e de um sistema que favorece a “carreira” de eclesiásticos com tendência.      

Em relação ao primeiro ponto, embora emerja do relatório a figura de um McCarrick predador em série, a grande reacção é desencadeada apenas quando, em 2017, chega a primeira denúncia de abusos de um menor. E isso está bem sublinhado em vários pontos do relatório, mas também é o dado sobre o qual insiste o director da comunicação vaticana, Andrea Tornielli, no seu editorial de apresentação do relatório, publicado no portal Vatican News. Depois de anos de rumores, cartas anónimas e acusações «sem fundamento», referentes a «comportamentos imorais com adultos» – explica Tornielli –, «tudo muda com o surgimento da primeira denúncia de abuso de um menor. A resposta é imediata. A disposição gravíssima e inédita da demissão do estado clerical surge na conclusão de um rápido processo canónico».     

Na prática, dizem-nos que os «comportamentos imorais com adultos» não são, certamente, uma coisa boa, mas, no final, são tolerados; o alarme real, aquele que também prevê sanções pesadas, só é accionado com a menor idade do abusado. Como se as dezenas e dezenas de futuros padres que partilharam a cama com McCarrick e, portanto, em grande parte condenados a uma vida sacerdotal, no mínimo, desequilibrada, não contassem muito. Como se a devastação moral e de fé provocada por um bispo predador – vocações perdidas, sacerdotes que, por sua, vez repetirão os abusos, nomeações episcopais distorcidas por laços mórbidos – fossem um problema menor. Claro, os rumores persistentes desaconselhavam a promoção de McCarrick a sedes de prestígio, mas a armadilha só é accionada quando, entre os acusadores, aparece um menor. É uma abordagem gravíssima que ignora o facto de que o segundo crime – abusos sobre menores – é filho do primeiro.            

Quanto ao segundo aspecto, a reconstrução do caso McCarrick acredita a ideia de que se trata de uma página negra para a Igreja, sim, mas, em todo caso, um episódio que, graças a todas as medidas tomadas, sobretudo, pelo Papa Francisco, será mais difícil de voltar a acontecer. «Uma história triste com a qual toda a Igreja aprendeu», diz Tornielli.    

É duvidoso, acima de tudo, porque se ignorou, deliberadamente, que o que permitiu a irresistível ascensão de McCarrick foi um sistema de poder também chamado de lobby gay, que favorece a nomeação e a carreira de bispos com determinadas características. Da leitura do relatório, publicado ontem, poder-se-ia pensar que o caso McCarrick seja o resultado de uma combinação infeliz de diferentes factores: a personalidade exuberante (para usar um eufemismo) do personagem, a falta de regras claras, a imprecisão das acusações, o erro, de boa-fé, de um Papa, a fraqueza do governo de um outro. Claro, estes também são elementos que tiveram o seu peso, mas o verdadeiro problema é que, sem a existência de uma rede de relações e de cumplicidades a diversos níveis, certas carreiras seriam quase impossíveis.         

E esta rede não funcionou só para McCarrick, pelo contrário, há elementos que sugerem que, nos últimos anos, se tenha fortalecido. Lembramos o caso do Chile, em 2018, com o Papa Francisco que teve de se render às evidências não antes de ter desqualificado as vítimas que acusavam bispos e padres abusadores. Também nos recordamos da misteriosa cobertura, no Vaticano, oferecida ao bispo argentino Zanchetta. Recordamos as denúncias que perseguem o cardeal hondurenho Óscar Rodríguez Maradiaga, coordenador do grupo de trabalho dos cardeais que apoiam o Papa Francisco na reforma da Cúria («todas calúnias», disse o Papa no ano passado), e cujo bispo auxiliar, Juan José Pineda, teve que se demitir, em Julho de 2018, por abusos sexuais no seminário. E também recordamos as “vozes” que da sua terra natal, Puglia, acompanham a rápida ascensão do agora nomeado cardeal Marcello Semeraro, que fez de sua actual Diocese de Albano a capital italiana dos cristãos LGBT. Voltando a McCarrick, não esqueçamos que há vários bispos americanos nomeados graças ao patrocínio do ex-cardeal.        

E poderíamos continuar. Não, não há, realmente, um sinal de que a Igreja tenha aprendido com o caso McCarrick; pelo contrário, há a sensação de que se faz pagar um para poderem continuar tranquilamente os outros. E, enquanto isso, promover a ideia de que, para um padre, ter tendências homossexuais não é um problema.          

Riccardo Cascioli        

Através de La Nuova Bussola Quotidiana   

Sem comentários:

Publicar um comentário

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários, queira contactar: info@diesirae.pt