sexta-feira, 14 de agosto de 2020

Sobre a importância da Confissão



Para nosso bem e nossa salvação, a Sagrada Escritura aconselha-nos a confessarmos os nossos pecados, incessantemente e com humildade, não somente perante Deus, mas também perante um homem santo e temente a Deus. Por isso, o Espírito Santo recomenda-nos, pela voz do apóstolo Tiago: «Confessai, pois, os pecados uns aos outros e orai uns pelos outros para serdes curados» (5, 16) [...]; e o salmista diz: «Confessarei os meus erros ao Senhor; e Vós perdoastes a culpa do meu pecado» (31, 5).          

Nós ferimo-nos com os nossos pecados; por isso, convém-nos recorrer ao medicamento da confissão. Com efeito, se Deus quer que confessemos os nossos pecados, não é porque não os conheça, mas porque o diabo deseja encontrar forma de nos acusar perante o tribunal do Juízo Eterno; por isso, quer que pensemos mais em desculpá-los do que em acusá-los. O nosso Deus, pelo contrário, porque é bom e misericordioso, quer que os confessemos neste mundo, de modo a não sermos confundidos sobre eles no outro. Assim, quando nos confessamos, Ele mostra-Se clemente; se os reconhecemos, perdoa-nos. [...] E nós, irmãos, somos realmente os vossos médicos espirituais, que procuramos com solicitude curar a vossa alma.  

São Cesário de Arles, in Sermão ao povo, n.º 59

Sem comentários:

Publicar um comentário

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários, queira contactar: info@diesirae.pt