domingo, 5 de julho de 2020

Tornar-se marca do Reino de Deus


Está dito: «Em quem repousarei, senão naquele que é manso e humilde, e teme as minhas palavras?» (Is 66, 2, LXX). Está claro, pois, que o Reino de Deus Pai pertence aos humildes e aos mansos. Com efeito, também está dito: «Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a Terra» (Mt 5, 4). [...]

A Terra é o estado e o poder, firme e imutável, suscitado pela beleza e a retidão dos mansos, porque eles estão sempre com o Senhor, comunicam uma alegria incessante, conquistaram o Reino preparado desde o começo e são dignos do lugar e da ordem do Céu, qual terra cuja localização no centro do Universo é a razão da virtude, segundo a qual o homem manso, que se encontra no seu centro, entre o elogio e a difamação, permanece impassível, nem inchado pelos elogios, nem abatido pela difamação. Com efeito, depois de ter recusado o desejo das coisas das quais está livre por natureza, a razão não sente os ataques das mesmas quando a perturbam; repousando da sua agitação, transportou todo o poder da alma para o porto da liberdade divina distanciada da ação, essa liberdade que o Senhor desejava transmitir aos seus discípulos quando lhes dizia: «Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de Mim, que sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para as vossas almas». Ele chama repouso ao poder do Reino divino, um poder que suscita nos que são dignos uma soberania distanciada de qualquer servidão.      

Ora, se o poder indestrutível do Reino em estado puro foi dado aos mansos e humildes, estes estão cheios de amor e desejo dos bens divinos, tendendo por isso, em extremo, para a humildade e a mansidão, a fim de se tornarem marca do Reino de Deus, na medida em que isso é possível ao homem, trazendo em si aquilo que, pela graça, os faz ter uma forma espiritual semelhante à de Cristo, o qual é, na verdade e por essência, o grande Rei.      

São Máximo, o Confessor, in Interpretação do pai-nosso

Sem comentários:

Publicar um comentário

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários, queira contactar: info@diesirae.pt