sexta-feira, 3 de julho de 2020

Jesus: remédio para todos os males



«Nestes tempos de fé morta, de impiedade triunfante, o meio mais seguro para manter-se livre do pestífero mal que nos circunda é fortalecer-nos com o Alimento Eucarístico» – Padre Pio.   

Neste pensamento de Padre Pio aparece evidente uma verdade que a história confirma de tempos a tempos. De facto, na história há períodos de recomeço e florescimento espiritual que enriquecem a Igreja e a sociedade com muito bem-estar, em todos os sentidos; assim como, pelo contrário, há períodos caracterizados por devastações e ruínas morais que fazem precipitar no caos e na corrupção segundo o modelo imposto pelo «império das trevas» (Lc 22, 53).        

Infelizmente, este pensamento de Padre Pio reflecte plenamente a situação na qual a Igreja e a Sociedade se encontram nestes nossos dias. Com Padre Pio e como Padre Pio, também nós, infelizmente, podemos e devemos definir estes nossos tempos realmente e dramaticamente quais «tempos de fé morta e de impiedade triunfante», com o agravante de um ateísmo militante e de uma mundanização dominante que parecem empalidecer todos os períodos precedentes de decadência e ruína na história da humanidade.          

Há uma resposta de Padre Pio que define bem a condição de miséria extrema na qual nos encontramos. «Como considera a nossa época, Padre?», perguntaram a Padre Pio. E Padre Pio respondeu: «É a época da confusão». A pessoa que interrogara Padre Pio não tinha percebido bem o termo “confusão” e logo perguntou: «O que significa a confusão?». E Padre Pio: «Significa a ruína de todos os valores».         

Não nos encontramos, de facto, no tempo da «ruína de todos os valores», que se chama, da maneira mais crua, os «tempos de fé morta e de impiedade triunfante»? Estamos todos a sofrer pela ruína dos valores máximos: a vida (contracepção, aborto, eutanásia), a(sincretismo, ateísmo, relativismo), a família (divórcio, separação), o matrimónio (convivência, matrimónio homossexual), a juventude (discotecas, drogas), a paz (terrorismo).           

Mas como salvar-se e defender-se desta «ruína» que Padre Pio chama «pestífero mal que nos circunda»? A resposta de Padre Pio tem um valor universal e perene: é preciso nutrir-se e fortificar-se com o Alimento Eucarístico. Se a batalha é áspera, se a luta é dura, não se deve acreditar que não haja o meio para não sucumbir e vencer. O meio existe e é o meio divino que sustou os mártires, os apóstolos, os missionários em todos os trabalhos mais árduos: é o «Alimento Eucarístico» que é o “pão dos fortes”. Nutramo-nos, por isso, santamente, deste «Alimento Eucarístico».

P. Stefano Maria Manelli, fundador dos Franciscanos da Imaculada            

Sem comentários:

Publicar um comentário

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários, queira contactar: info@diesirae.pt