Os amigos e os inimigos de Bergoglio



A 31 de Maio, em Meca, 139 representantes de países muçulmanos assinaram a Declaração “Não à islamofobia”. O documento foi apresentado pelo Mufti da Arábia Saudita no final da XIV sessão ordinária da Organização para a Cooperação Islâmica. Na declaração afirma-se a necessidade de tutelar as diferenças culturais e religiosas para combater discursos e comportamentos islamofóbicos. Na Declaração enfatiza-se, entre outras coisas, o «estar ao lado daqueles muçulmanos que em países não-islâmicos sofrem perseguição, injustiça, coerção e agressões» (...) «apoiá-los e assumir a sua causa nos fóruns internacionais, para proteger o pleno exercício dos direitos políticos (o direito de constituir partidos islâmicos) e sociais nos seus países, e desenvolver programas e mecanismos que garantam a sua plena integração nas suas sociedades, longe de qualquer discriminação».        

Algo que a ONU, Bruxelas e não poucos governos ocidentais já acolheram há anos ao estabelecerem o crime de islamofobia. O facto de que os principais perseguidores dos cristãos são muçulmanos nem sequer é levado em consideração. Na Arábia Saudita, como noutros países muçulmanos, ainda é proibido erigir ou restaurar igrejas, é proibida a publicação de textos sagrados não-muçulmanos, é proibido mostrar o crucifixo em público, é proibido rezar mesmo dentro de casa. No Ocidente, os muçulmanos rezam nas ruas e, graças a Bergoglio, até nas igrejas. Os cristãos são considerados cidadãos de segunda. Em não poucos países muçulmanos, as mulheres não-muçulmanas, principalmente as cristãs, são sequestradas, violadas e forçadas a converter-se ao islamismo. Aos poucos missionários presentes no mundo muçulmano (não há nenhum na Arábia Saudita), é-lhes proibido usarem objectos e vestes religiosas, assim como converter os muçulmanos. Aqueles que não cumprem as leis da sharia arriscam-se a ser presos, chicoteados e decapitados.     

No mesmo dia em que os jornais publicaram a notícia sobre a declaração “Não à islamofobia”, publicou-se outra notícia, no jornal dos Bispos italianos, o Avvenire, intitulada: “Audiência. Papa Francisco aos Núncios: não aos luxos e fofocas”. Lendo o artigo percebemos que o destinatário é a clássica almôndega para ingénuos. Lamento enfatizá-lo, mas, como acontece frequentemente, os comentários do Bispo de Roma tendem mais a confundir que a esclarecer. Sobretudo porque o Catecismo é frequentemente preenchido de personalismos. Nos “mandamentos” que o Papa dirigiu aos 103 representantes pontifícios que participaram no terceiro encontro desejado pelo Bispo de Roma, realizado no Vaticano de 12 a 15 de Junho, Bergoglio disse que o Núncio tem a tarefa de interpretar «a solicitude do Romano Pontífice pelo bem do país em que exerce a sua missão; em particular, deve interessar-se com zelo pelos problemas da paz, do progresso e da colaboração dos povos, tendo em vista o bem espiritual, moral e material de toda a família humana». O oposto daquilo que afirmam os muftis muçulmanos, que, como vimos, não falam de família humana, mas apenas de respeito pelos muçulmanos onde quer que estejam.         

Para Bergoglio, o Núncio «é homem do Papa» (...) «enquanto Representante Pontifício, o Núncio não se representa a si mesmo, mas o Sucessor de Pedro e age em seu nome junto da Igreja e dos Governos, ou seja, concretiza, actua e simboliza a presença do Papa entre os fiéis e o povo». Sendo representante, «o Núncio deve continuamente actualizar-se e estudar, de modo a conhecer bem o pensamento e as instruções de quem representa (não a Sã Doutrina, mas o Papa). Também tem o dever de continuamente actualizar e informar o Papa sobre as diversas situações e as mudanças eclesiásticas e sócio-políticas do país a que foi enviado». (...) «É, portanto, inconciliável o ser Representante Pontifício com o criticar por trás o Papa, ter blogues ou até mesmo unir-se a grupos que lhe sejam hostis, assim como à Cúria e à Igreja de Roma».         

É claro que as críticas contínuas podem parecer excessivas, mas o Bispo de Roma parece fazer de tudo para provocá-las. Como acabámos de ver, enquanto os representantes muçulmanos se encontram em Meca para defender e promover o Islão, Bergoglio encontra os Núncios para se defender a si mesmo.                  

Não é necessário ser malicioso ou, como Francisco os define, «pessimistas, vitimistas e desiludidos» para relevar a política auto-referencial do Papa. Quando Pedro foi repreendido publicamente por Paulo, não se escondeu atrás do silêncio, nem o cobriu de insultos. Pedro comportou-se como verdadeiro líder da Igreja, humildemente: «Pedro expôs-lhes, então, o caso, do princípio ao fim, dizendo…» (Act 11, 4).       

Hoje, os Paulos são tratados como «velhas comadres, fomentadores de coprofagia, múmias de museus». Bergoglio não responde às perguntas e às preocupações dos católicos. Esconde-se. E, no momento oportuno, insulta e humilha quem não se curva ao seu neo-evangelho. Chegou a dizer que é «melhor viver como um ateu do que dar um contra-testemunho do ser cristão». Como se o ateu testemunhasse o bem e a rectidão evangélica. Não falemos dos ateus comunistas que mataram milhões de seres humanos. Algo que os crentes católicos «fofoqueiros», «moralistas» e «cristãos com cara de vinagre» jamais fariam, porque temem o Juízo Divino. Estamos convencidos que Bergoglio nunca se perguntou por que razão é questionado ou criticado pelos católicos, enquanto é obsequiado por laicos, muçulmanos e comunistas. Da forma como se comporta, parece mesmo estar ciente do seu verbo acatólico. Os repetidos “Dubia” que lhe chegam de todas as partes, enervam-no, por isso não dialoga e ergue as bandeiras do insulto e da vitimização. Não seria mais honesto seguir o exemplo de Cefas? «Pedro expôs-lhes, então, o caso, do princípio ao fim, dizendo…». Porquê que não o imita? Elementar, caro Watson!          

Os resultados estão diante dos nossos olhos. Enquanto o Papa tenta aniquilar a identidade dos católicos leais à Doutrina dos Santos, a rocha que sustentou a Igreja por dois mil anos, os muftis orgulham-se, ainda que discutivelmente, dos muçulmanos. Algo está errado. Somos muito suspeitosos se pensarmos que em tudo isto existe um projecto muito específico? É um programa que envolve a esquerda globalista, a maçonaria, o Vaticano, a ONU, Bruxelas e os países muçulmanos ricos? Quem pensa que sabe muito, falará de teoria da conspiração. Mas os factos dizem que, a partir de 13 de Março de 2013, o Papa tornou-se amigo dos inimigos da Igreja e inimigo de quem a apoia. Não elenco os nomes e os sobrenomes dos amigos de Bergoglio, a lista geralmente transborda de sangue, recordo apenas alguns inimigos, os mais conhecidos pelos católicos: os evangelistas São Mateus, São Marcos, São Lucas e São João. São Pedro, São Paulo, Santo Agostinho de Hipona, São Francisco de Assis, São Tomás de Aquino, São Bernardo de Claraval, Santa Catarina de Sena.

Agostino Nobile

Enviar um comentário

0 Comentários