quarta-feira, 1 de maio de 2019

São José, Protector da Igreja Católica



Há várias invocações de São José que poderíamos considerar. Eu creio que, dessas invocações, depois das que dizem directamente respeito a Nosso Senhor Jesus Cristo, nenhuma é mais bonita do que “Protector da Igreja Católica”.                       

Protector de algo é, de algum modo, um símbolo daquilo que se protege. Os senhores considerem, por exemplo, alguém que é guarda da rainha da Inglaterra, Elisabeth II. Este, de algum modo, toma em si algo da realeza da rainha; é uma honra ser guarda da rainha! Escolhem-se para serem guardas da rainha os indivíduos mais capazes, os que tiveram maior coragem, os que, nas guerras, provaram maior dedicação à coroa inglesa. Estes são os convidados para serem os guardas da rainha. Se é uma honra ser guarda da rainha, se é uma honra ser guarda do Papa, então que honra é ser guarda da Santa Igreja Católica!                      

Excepção feita de Nossa Senhora que é Mãe da Igreja, ninguém pode se comparar à Igreja Católica. Nem qualquer Anjo ou todos os santos, considerados cada um separadamente, têm a dignidade da Igreja Católica. Porque a Igreja envolve todos os santos e Ela é a fonte da santidade desses santos e, portanto, um santo nunca pode ter a dignidade igual à da Igreja Católica. 

A envergadura moral do esposo de Nossa Senhora e Pai adoptivo do Menino Jesus           
Os senhores imaginem, portanto, o que é o santo que é o Padroeiro da Igreja Católica! Ele tem que ser algo de tão alto, de tão excelso que, por assim dizer, tem que ser o reflexo da Igreja que ele guarda! Para estar proporcionado a Ela, tem que ter o reflexo da Igreja que guarda.      

Podemos considerar que a envergadura espiritual de São José – enquanto co-idêntico com o espírito da Igreja Católica, enquanto sendo exemplar prototípico e magnífico da mentalidade, das doutrinas, do espírito da Igreja Católica – só se pode medir por esse outro critério: é o facto de ele ser Esposo de Nossa Senhora e proporcionado, portanto, a Nossa Senhora; ser o Pai adoptivo do Menino Jesus e, portanto, proporcionado ao Menino Jesus!                 

Se quisermos ter uma ideia da alma de São José, do espírito de São José, seria preciso imaginar tudo quanto o povo pensa da Igreja Católica, toda a grandeza da Igreja, toda a simplicidade da Igreja, toda a dignidade da Igreja, toda a afabilidade da Igreja, toda a sabedoria da Igreja, toda a imensidade da Igreja, tudo quanto se pudesse dizer da Igreja Católica e imaginar isto realizado num homem! E, então, teríamos a fisionomia moral de São José!                   

Devemos imaginar, pelo menos, o perfil moral desse Santo: a castidade de São José, a sua pureza ilibadíssima. E devemos aproximar-nos dele com respeito, com veneração e pedir-lhe que nos conceda aquilo que tanto desejamos receber.         

O que pedir a São José na sua festa?               
Cada um se pergunte a si próprio, num exame de consciência de um minuto, qual é a graça que quer pedir a São José por ocasião da festa de hoje. A primeira das graças a pedir seria a da devoção a Nossa Senhora; outra, a graça de reflectir tão bem o espírito da Igreja Católica quanto esteja nos desígnios da Providência ao nos ter criado e ao nos ter conferido o santo Baptismo; podemos pedir a pureza, a despretensão, podemos pedir tudo. Podemos escolher cada uma dessas coisas ou pedir todas essas coisas no seu conjunto.     

Às vezes, é bom pedirmos uma coisa só, se a graça nos leva a pedir uma coisa só. Às vezes, é bom pedirmos tudo, porque há momentos em que a graça nos leva a sermos audaciosos e a pedir muita coisa ao mesmo tempo.  

E, então, hoje, na festa de São José, conforme o movimento da graça interior em cada um de nós, devemos pedir-lhe alguma coisa. E se não soubermos bem o que pedir a São José, digamos-lhe: “Meu bom São José, dai-me Vós aquilo de que preciso, uma vez que nem sequer sei o que me convém”. Eu acredito que, no mais alto dos Céus, ele sorrirá e dará, com bondade, alguma graça muito bem escolhida. E, com isto, fica a nossa invocação a São José. 

Dr. Plinio Corrêa de Oliveira

Sem comentários:

Publicar um comentário

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários, queira contactar: info@diesirae.pt