domingo, 14 de abril de 2019

Domingo de Ramos



Reportemo-nos ao século IV. Em Jerusalém lia-se, hoje, no próprio lugar em que a cena se desenrolou, a passagem do Evangelho referente à entrada triunfal de Jesus na Cidade Santa, aclamado pelo povo como Filho de David e Rei de Israel. Um bispo, montando um jumento e rodeado da multidão, que, ao som e ritmo de hinos e antífonas, agitava ramos festivos, subia ao alto do Monte das Oliveiras e entrava na Igreja da Ressurreição. A Igreja de Roma adoptou este costume, no século IX, e juntou-lhe os ritos da bênção dos Ramos.                

Nós, portanto, reproduzimos o que os Judeus fizeram. Na procissão dos Ramos, é o povo cristão que, na plenitude da fé, faz seu o gesto dos Judeus e lhe dá todo o seu significado. À imitação do povo de Jerusalém, nós aclamamos a Cristo, como triunfador: «Hossana ao Filho de David! Bendito seja o que vem em nome do Senhor, o Rei de Israel!». Conhecendo, pela fé, a sequência e o sentido dos acontecimentos, sabemos o que é, e o que representa o seu triunfo. Ele é o Messias, Filho de David e Filho de Deus, sinal de contradição, aclamado por uns, detestado por outros. Enviado ao mundo para nos arrancar ao pecado e ao poder de Satanás, sujeita-se aos opróbrios da Paixão, castigo das nossas faltas. Mas, vencedor da morte, sai triunfante do túmulo, restitui-nos a paz de Deus e eleva-nos consigo para o reino do Pai celeste.      

BÊNÇÃO DOS RAMOS         

Em latim:   
V. Dóminus vobíscum.   
R. Et cum spíritu tuo.           
Orémus.      
Bénedic
, quæsumus, Dómine, hos palmárum ramos: et præsta; ut, quod pópulus tuus in tui veneratiónem hodiérno die corporáliter agit, hoc spirituáliter summa devotióne perfíciat, de hoste victóriam reportándo et opus misericórdiæ summópere diligéndo. Per Christum Dóminum nostrum. R. Amen.       

Em português:      
V. O Senhor esteja convosco.   
R. E com o teu espírito.       
Oremos.       
Abençoai
, Senhor, estes ramos de palmeira, e fazei que aquilo que o vosso povo hoje pratica exteriormente, em obséquio vosso, o cumpra interiormente, com devoção fervorosa, triunfando do inimigo, e aplicando-se, com todo o coração, à prática das boas obras. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. R. Amen.

Sem comentários:

Publicar um comentário

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários, queira contactar: info@diesirae.pt