sábado, 16 de março de 2019

O crucifixo submerso que atrai multidões


Mais de 1200 fiéis dos Estados Unidos foram ao Lago Michigan para caminhar sobre a água congelada e venerar a imagem de Cristo crucificado que está sob o gelo, a 8 metros abaixo da superfície e a mais de 200 metros da costa.                        

Nos últimos quatro anos, o crucifixo não pôde ser visto devido à instabilidade do gelo, mas a onda de frio do inverno de 2019 deu-lhe a consistência necessária. Portanto, no último dia 9 de Março, os visitantes foram para a cidade de Petoskey, em Little Traverse Bay Bay, para ver a escultura com a ajuda de uma iluminação subaquática e uma barraca para proteger dos raios solares.                           

“Quando o tempo permite, um clube de mergulho local perfura um buraco no gelo e convida as pessoas a verem a estátua. É a única maneira de contemplar o crucifixo, além de mergulhar no fundo do lago”, indicou ao Grupo ACI, a 13 de Março, Laurent Fady, representante dos Northern Michigan Aerial Services (Serviços Aéreos do Norte de Michigan).                 

Origem do crucifixo de Petoskey                      
A imagem de Cristo, com 3,35 metros de comprimento e 839 quilos, foi esculpida em mármore branco na Itália, em 1956, por artesãos locais.       

Foi encomendado por uma família de agricultores na cidade de Rapson, quando o seu filho de 15 anos, Gerald Schipinski, morreu num acidente na fazenda da família. Após o evento dramático, os pais do menor escolheram o crucifixo para colocar no seu túmulo. No entanto, a imagem ficou muito danificada devido ao seu transporte através do oceano. Quando chegou a terra, os pais recusaram-se a aceitá-la e exigiram uma nova.                  

Como devolvê-lo para a Itália seria muito custoso, decidiram emprestá-lo por uma temporada à Igreja Católica de São José, em Rapson. No ano seguinte, foi vendido por apenas 50 dólares num clube local de mergulhadores, que, então, decidiram mergulhar a imagem em homenagem a Charles Raymond, um mergulhador de Southgate, Michigan, que se afogou no Lago Torch nas proximidades. Mais tarde, os mergulhadores ampliaram a homenagem e incluíram todos os mergulhadores que perderam as suas vidas nas águas do Michigan.              

Todos os anos, um sábado de Fevereiro ou Março, se o gelo estiver firme, o público é convidado a atravessar o gelo para ver o crucifixo. Durante os últimos anos, o gelo esteve instável e os visitantes não foram convidados. Em 2015, o último ano em que o público viu o crucifixo, a Equipa de Mergulho do Escritório do Xerife do Condado de Emmet relatou um recorde de 2021 visitantes locais e internacionais que fizeram fila durante duas horas e meia para ver o crucifixo e rezar.

[Fonte: ACI Digital]

Sem comentários:

Publicar um comentário

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários, queira contactar: info@diesirae.pt