Em tempo de Carnaval, vigilate et orate!



Certa vez, em tempo de Carnaval, Ele apresentou-se-me na figura de Ecce Homo (cf. Jo 19, 5), carregando a Sua Cruz, todo coberto de chagas e contusões e brotando, de todo o Seu Corpo, o Seu Sangue adorável. Com uma voz dolorosamente triste, dizia: “Não haverá ninguém que tenha piedade de Mim e queira compadecer-se e tomar parte na minha dor ao ver o lastimoso estado em que Me põem os pecadores, sobretudo neste tempo de Carnaval?”. Prostrando-me aos Seus sagrados pés, ofereci-me a Ele, com lágrimas e suspiros. Colocou sobre os meus ombros aquela pesada Cruz, toda eriçada de pontas de pregos, e, sentindo-me sucumbida sob o seu peso, comecei a compreender melhor a gravidade e a malícia do pecado, a qual sentia tão vivamente no meu coração, que teria preferido mil vezes precipitar-me no Inferno a cometer voluntariamente um único pecado. “Maldito pecado – disse –, que detestável és pela injúria que fazes ao meu soberano Bem!”       

Sta. Margarida Maria Alacoque, in Autobiografia (capítulo IX)

Enviar um comentário

0 Comentários