segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Seis anos da renúncia do Papa Bento XVI



Passam hoje seis anos do dia em que o Papa Bento XVI apresentou a sua renúncia, numa declaração, feita em latim, que definiu como “uma decisão de grande importância para a vida da Igreja”. Uma vez mais, agradecemos a Nosso Senhor pela vida doada de Sua Santidade, por meio dos irmãos que encontrou, pelos diversos serviços prestados à Igreja de Deus e, agora, por permanecer fiel na retaguarda silenciosa e orante que anima a Santa Igreja neste momento de confusão e de dúvidas. Recordamos a declaração do Papa Bento XVI, na manhã do dia 11 de Fevereiro de 2013, que deve constituir para todos nós uma enormíssima lição de humildade. Oremus pro Pontifice nostro Benedicto!  

DECLARATIO – DECLARAÇÃO DE S.S. O PAPA BENTO XVI

Caríssimos Irmãos,          
convoquei-vos para este Consistório não só por causa das três canonizações, mas também para vos comunicar uma decisão de grande importância para a vida da Igreja. Depois de ter examinado repetidamente a minha consciência diante de Deus, cheguei à certeza de que as minhas forças, devido à idade avançada, já não são idóneas para exercer adequadamente o ministério petrino. Estou bem consciente de que este ministério, pela sua essência espiritual, deve ser cumprido não só com as obras e com as palavras, mas também e igualmente sofrendo e rezando. Todavia, no mundo de hoje, sujeito a rápidas mudanças e agitado por questões de grande relevância para a vida da fé, para governar a barca de São Pedro e anunciar o Evangelho, é necessário também o vigor quer do corpo quer do espírito; vigor este que, nos últimos meses, foi diminuindo de tal modo em mim que tenho de reconhecer a minha incapacidade para administrar bem o ministério que me foi confiado. Por isso, bem consciente da gravidade deste acto, com plena liberdade, declaro que renuncio ao ministério de Bispo de Roma, Sucessor de São Pedro, que me foi confiado pela mão dos Cardeais em 19 de Abril de 2005, pelo que, a partir de 28 de Fevereiro de 2013, às 20 horas, a sede de Roma, a sede de São Pedro, ficará vacante e deverá ser convocado, por aqueles a quem tal compete, o Conclave para a eleição do novo Sumo Pontífice.    

Caríssimos Irmãos, verdadeiramente de coração vos agradeço por todo o amor e a fadiga com que carregastes comigo o peso do meu ministério, e peço perdão por todos os meus defeitos. Agora confiemos a Santa Igreja à solicitude do seu Pastor Supremo, Nosso Senhor Jesus Cristo, e peçamos a Maria, sua Mãe Santíssima, que assista, com a sua bondade materna, os Padres Cardeais na eleição do novo Sumo Pontífice. Pelo que me diz respeito, nomeadamente no futuro, quero servir de todo o coração, com uma vida consagrada à oração, a Santa Igreja de Deus.

Vaticano, 11 de Fevereiro de 2013
BENEDICTUS PP XVI

Sem comentários:

Publicar um comentário

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários, queira contactar: info@diesirae.pt