domingo, 10 de fevereiro de 2019

D. Bosco, o Santo Rosário e a serpente



S. João Bosco, o santo italiano fundador dos Salesianos, é conhecido pelos seus sonhos, como costumava chamar às visões que faziam parte da sua intensa vida espiritual. Numa carta escrita aos seus rapazes, D. Bosco fala de um desses sonhos. Este sonho aconteceu na véspera da Assunção da Santíssima Virgem e, no sonho, um estranho apareceu-lhe e pediu-lhe que olhasse para algo que se encontrava no chão.   

Eis o relato de D. Bosco: “Ele levou-me para um prado ao lado do parque e apontou para uma cobra enorme e feia, com mais de vinte pés de comprimento, enrolada na relva. Assustado, queria fugir, mas o estranho segurou-me e disse-me: ‘Aproxima-te e observa-a bem’. ‘O quê? Não percebes que o monstro pode saltar para cima de mim e engolir-me em pouco tempo?’. ‘Não tenhas medo, nada acontecerá. Vem comigo!’. O estranho pegou numa corda e pediu a D. Bosco para bater com ela na cobra. “Esticámos a corda e, de seguida, batemos nas costas da serpente. O monstro levantou-se imediatamente e lutou contra a corda, mas, ao fazê-lo, enrolou-se como num laço. A cobra lutava e acabou por morrer. Então, o estranho pegou na corda e colocou-a numa caixa. O que aconteceu de seguida foi surpreendente. Após alguns instantes, abriu a caixa e ficamos surpreendidos ao ver que a corda tinha formado as palavras Ave-Maria. ‘Como é que isto aconteceu?’, perguntei. ‘A serpente’, respondeu o homem, ‘é um símbolo do diabo, enquanto a corda representa o Rosário, uma sucessão de Ave-Marias com as quais podemos atacar, conquistar e destruir todos os demónios do Inferno’.                                

S. João Bosco levou muito a sério este sonho e, na carta aos seus alunos, pedia-lhes que rezassem uma Ave-Maria sempre que fossem tentados, com a certeza de que venceriam a batalha e superariam a tentação. Este é, pois, um alerta para rezarmos devotamente o Santo Rosário!    

Sem comentários:

Publicar um comentário

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários, queira contactar: info@diesirae.pt