terça-feira, 4 de dezembro de 2018

«Cristo cura-nos a paralisia dos membros e do coração»


A encarnação de Cristo não é normal, é milagrosa; não é conforme à razão, mas ao poder divino; provém do Criador, e não da natureza; não é corrente, é singular; é divina, e não humana. Não se deu por necessidade, mas por poder. Foi mistério de fé, renovação de salvação para o homem. Aquele que, sem ter nascido, formou o homem com barro intacto (Gn 2, 7), ao nascer, fez um homem a partir de um corpo intacto; a mão que Se dignou tomar a argila para nos criar dignou-Se também tomar a nossa carne para nos recriar.      

Homem, por que te desprezas assim, tu que és tão precioso aos olhos de Deus? Por que te desonras a tal ponto, quando Deus te honra desta maneira? Por que procuras saber como foste feito, e não queres saber em vista de que foste feito? Não compreendes que todo este mundo que conheces foi feito para ti?        

Cristo encarna para devolver à natureza corrompida a sua integridade; assume a condição de criança, aceita ser alimentado, percorre todas as idades, a fim de restaurar a idade única, perfeita e duradoura que Ele próprio tinha criado. Ele carrega o homem, para que o homem não possa voltar a cair. Torna celestial aquele que tinha criado terreno; dá um espírito divino àquele que tinha criado humano. E, deste modo, eleva-o por inteiro a Deus, a fim de nada deixar nele que pertença ao pecado, à morte, ao labor, à dor, à terra. Eis o que nos trouxe Nosso Senhor Jesus Cristo que, sendo Deus, vive e reina com o Pai, na unidade do Espírito Santo, agora e para sempre, e pelos séculos dos séculos.   

S. Pedro Crisólogo, in Homilia sobre o mistério da encarnação

Sem comentários:

Publicar um comentário

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários, queira contactar: info@diesirae.pt