quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Almas vítimas



Desejo um exército de almas apostólicas que se consagrem a mim com o voto de vítima, mas não para expiar com provações extraordinárias os pecados dos outros; não, não é esse o meu desejo. Desejo um grande exército de almas vítimas que se unam ao meu apostolado na minha vida eucarística. Que se comprometam pelo voto de vítima a seguir o mesmo caminho que eu escolhi: silêncio, imolação, irradiação do triunfo da vida do Espírito; a fim de que o meu Espírito se difunda, desejo que tais almas revelem algo do meu Reino, ao qual cada alma é chamada e no qual cada alma é esperada. Desejo um exército de almas vítimas que concentrem os seus esforços em imitar o meu apostolado: Eu sou o Mestre, eu fui o servidor de todos. O voto de vítima dar-lhes-á a força de uma maior fidelidade a serem servos de todos, a fim de que o meu Espírito se difunda e o mundo creia nas minhas palavras. Desejo estas almas vítimas em todos os lugares: no século e nos claustros; em todos os ofícios, em todas as situações, nos campos e nas fábricas, nas escolas e nas lojas, nas famílias e nos conventos, no comércio e nas artes, em todos os lugares.     

Nosso Senhor à Irmã Maria da Trindade, O.S.C.

Sem comentários:

Publicar um comentário

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários, queira contactar: info@diesirae.pt