quinta-feira, 9 de abril de 2020

Repensar a China



Seremos forçados a rever os nossos relacionamentos”.           

Esta é a intimidação dirigida pelo presidente chinês, Xi Jinping, a Donald Trump, obstinado em chamar “vírus chinês” ao COVID-19. E o exuberante presidente dos Estados Unidos da América, líder da maior potência económica e militar da história, teve que se submeter: cancelou o adjectivo “chinês”... Pouco antes, a baixar a cabeça foi o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, culpado de ter dito que o coronavírus provinha da China. Não se podia dar ao luxo de perder o mercado chinês. Antes dele, e pela mesma razão, o presidente argentino, Alberto Fernández, teve que bloquear uma investigação sobre acordos secretos com a China assinados pelo governo anterior. A lista poderia continuar.  

E não falaremos sobre os nossos exaustos governantes europeus: nem se atrevem a suscitar a questão...    

Ao exercer a sua supremacia económica com uma arrogância surreal, a China está a permitir-se reescrever a história à sua maneira. Com chantagem e propaganda, conseguiu passar de criminosa a heroína em poucas semanas. A epidemia do coronavírus começou precisamente na China e espalhou-se graças à negligência e à prepotência do governo comunista de Pequim, como já denunciaram tantos especialistas. Apesar disso, a China, hoje, apresenta-se como modelo e até mesmo como samaritana, impondo a sua linha a um Ocidente triste e subjugado.           

Um dos grandes enigmas da nossa época – um verdadeiro mistério da iniquidade – é como o Ocidente, que se orgulha do seu carácter democrático e liberal, foi capaz de se submeter tão servilmente a um governo ditatorial dominado por um Partido Comunista. E como os magnatas da indústria e das finanças, que se gabavam de ter criado a civilização mais rica da história, deixaram que a riqueza – a par do poder que essa comporta – passasse para as mãos de uma potência inimiga. Para ganhar mais dinheiro, o Ocidente colocou – consciente e voluntariamente – a cabeça na guilhotina. Pode agora admirar-se que o carrasco puxe a alavanca?    

Uma voz profética                  
Ainda assim, esta situação era perfeitamente previsível e, portanto, evitável. É uma consequência da política cega e suicida do Ocidente em relação ao comunismo chinês, contra a qual, nos anos trinta do século passado, se elevou a voz de Plinio Corrêa de Oliveira. 

No longínquo ano 1937, o líder católico denunciava como os Estados Unidos estavam a subitamente armar os comunistas chineses, junto com os soviéticos: «O Departamento de Estado anuncia que as licenças de exportação de armas e material de guerra para a China, durante o mês de Novembro, atingiram um total de 1.702.970 dólares. Para a URSS, as licenças de exportação de material bélico alcançaram a soma de 805.612 dólares. […] Não compreendemos como os Estados Unidos vendem armas aos comunistas, isto é, aos mais perigosos e abomináveis inimigos da civilização».        

Em 1943, quando a derrota do nazismo era apenas uma questão de tempo, Plinio Corrêa de Oliveira apontou para os futuros inimigos: o comunismo e o islamismo. O seu olhar profético, no entanto, foi além: «O perigo muçulmano é imenso e o Ocidente parece não se aperceber, como também parece fechar os olhos diante do perigo amarelo».   

No pós-guerra, o Ocidente continuou a ignorar tal perigo, deixando que o comunismo dominasse a China. Duas facções competiam por aquele imenso território: o Kuomintang, de orientação nacionalista, liderado por Chiang Kai-shek, e o Partido Comunista Chinês, liderado por Mao Tsé-Tung. Este último era apoiado pela União Soviética. Em 1945, Plinio Corrêa de Oliveira denunciou a interferência da URSS na China: «Se alguma dúvida pudesse haver sobre a insinceridade de propósitos da União Soviética, ela não resistiria ao que acaba de se ver na China. Em detrimento de tudo quanto prometeram no último tratado de paz firmado com Chiang Kai-shek, reacenderam a guerra civil na China. […] Convém acentuar a gravidade internacional desta agressão. […] Esta atitude da Rússia constitui um novo choque contra a pacificação do mundo. Não podemos deixar de acentuar até que ponto o Partido Comunista seja um joguete do imperialismo russo, que dele se serve com a mais desabrida desfaçatez para obter os seus objectivos internacionais».          

Segundo Plinio Corrêa de Oliveira, a única política coerente teria sido derrotar os comunistas, sem se e sem mas. Em vez disso, para não incomodar a União Soviética, os Estados Unidos adoptaram uma abordagem diferente, que mais tarde se demonstraria desastrosa: «A política americana na China visa forçar a unificação por meio de um governo de coligação democrática entre Kuomintang e comunistas. Mas nunca poderá haver uma verdadeira coligação entre o Kuomintang e os comunistas. O objectivo dos comunistas não é tornar a China uma nação democrática unificada, mas fazer dela uma província sob o jugo do totalitarismo comunista. Portanto, é necessário ajudar Chiang a estender a soberania do governo central sobre toda a China, coisa que só se poderá fazer destruindo a soberania do governo rebelde comunista e liquidando os seus atributos de poder independente, exército, polícia, administração política, sistema financeiro».    

Com o apoio dos soviéticos, que também ocuparam a Manchúria, em 1949 Mao Tsé-Tung derrotou definitivamente Chiang Kai-shek e estabeleceu a República Popular da China, iniciando, assim, a expansão para o Tibete e o sudeste asiático. Enquanto isso, revelando uma assustadora imprevidência, o Ocidente deixou a Coreia do Norte nas mãos dos comunistas, uma atitude que teve consequências catastróficas. Em meados de Junho de 1950, apoiados pela China e pela URSS, os comunistas invadiram o sul, dando início à Guerra da Coreia. Depois de um momento de perplexidade, o general Douglas MacArthur, comandante das forças aliadas, compreendeu que a guerra não se estava a travar em Pyongyang, mas em Pequim e Moscovo, e propôs um “full-scale conflict against the communists”, uma guerra total contra os comunistas, que incluía o bombardeamento das bases comunistas na China. Foi sumariamente demitido pelo presidente Harry Truman, que escolheu a via da cedência e do compromisso.  

Num longo artigo publicado em Janeiro de 1951, Plinio Corrêa de Oliveira elencou “Os erros de Roosevelt na Segunda Guerra Mundial”, entre os quais: «Diante das primeiras e intempestivas manifestações do expansionismo soviético, o Departamento de Estado norte-americano, em lugar de opor uma resistência enérgica, favoreceu-as indirectamente com a sua atitude passiva. […] Na Ásia, as coisas correram pior. O Presidente Truman decidiu continuar a política de confiar no comunismo como fizera o seu predecessor. […] Por outras palavras, a sorte do Extremo Oriente estava selada».  

Nos anos sessenta, a URSS e a China começaram uma encenação simulando uma ruptura para despistar o Ocidente. Plinio Corrêa de Oliveira nunca acreditou em tal manobra. Escreveu em 1963: «Trata-se apenas de uma armadilha que acabará por engolir o homem ocidental, idiota e sorridente, superficial, agitado e fraco, que vive no mundo das aparências. [...] Os comunistas ficarão muito gratos por esta extraordinária imprudência dos ocidentais». E em 1967: «A divisão entre a “linha russa” e a “linha chinesa” não passa de um bluff». Surdo a tais avisos, o Ocidente continuou a política, cega e suicida, de favorecer a China numa chave anti-soviética.        

A “semana que mudou o mundo”        
De fracasso em fracasso, chegou-se a uma grande reviravolta: a viagem do presidente Richard Nixon à China, em Fevereiro de 1972, à qual o pensador católico brasileiro atribuiu uma importância histórica. O pretexto era adquirir uma posição dominante na China para poder contrabalançar a União Soviética. Plinio Corrêa de Oliveira considerou-o, em vez, o início do fracasso final. O próprio Nixon definiu a sua viagem como “a semana que mudou o mundo”. 

Conhecida a notícia da viagem, a 17 de Julho de 1971 o líder católico brasileiro deu uma conferência analisando a extensão e, com surpreendente alcance, previu as consequências:                

– Esta viagem mudará substancialmente a percepção da opinião pública ocidental em relação à China comunista, apresentando-a de um ponto de vista mais amigável: «Cairão as barreiras ideológicas em relação ao comunismo chinês»;   

– A China será admitida nas Nações Unidas, expulsando Taiwan, e, posteriormente, será nomeada membro permanente do Conselho de Segurança, assumindo, assim, o papel de potência mundial;

– «A Guerra do Vietname será liquidada em espírito de cedência e de traição pelos Estados Unidos. Com a viagem de Nixon à China, os Estados Unidos aceitaram uma enorme humilhação que sugere um fracasso também no Vietname. Na minha opinião, a guerra terminará com a rendição incondicional dos Estados Unidos»;        

– «As potências anti-comunistas do Extremo Oriente serão abandonadas à própria sorte [...] Nixon parece ter a intenção de desmantelar inexoravelmente o sistema anti-comunista no Extremo Oriente. [...] Isto forçará os Países da região a apoiar-se em Pequim e não em Washington»;       

– «Hong Kong entrará em agonia. Acredito que, em breve, a Inglaterra retomará as relações com Pequim e entregará Hong Kong aos chineses». 

No final, Plinio Corrêa de Oliveira perguntou: «Quem pode dizer que a expansão chinesa não continuará?». Obviamente, a sua convicção era que, uma vez iniciada, a expansão amarela não pararia. Especialmente porque os Estados Unidos não tinham apresentado nenhuma condição política ou militar.     

No seguimento da viagem do presidente Nixon, os Estados Unidos assinaram, com a China, a Declaração de Xangai sobre a cooperação entre os dois países. Plinio Corrêa de Oliveira dedicou uma conferência ao Acordo, na qual comentou: «Dada a ingenuidade liberal dos americanos e a astúcia comunista dos chineses, o Acordo terá um resultado muito conveniente para os comunistas. Eles aproveitarão todas as oportunidades para avançar. A partir de agora, as relações entre a China e o Ocidente ocorrerão nesta base: os chineses saberão aproveitar-se, enquanto que os ocidentais não».       

O líder brasileiro acreditava que o Acordo de Xangai era a pior catástrofe política do século XX: «Ialta foi uma grande calamidade de Munique (Pacto Ribbentrop-Molotov). Foi Munique multiplicada por Munique. O Acordo de Xangai é Ialta multiplicada por Ialta! Aonde nos conduzirá? Eu não sei. Mas uma coisa é certa: o Ocidente já perdeu esta guerra».           

É preciso dizer que esta era a linha do Governo americano e, mais concretamente, da Secretaria de Estado. No público, porém, houve consistentes reacções às quais Plinio Corrêa de Oliveira dedicou algumas reuniões e artigos de jornal.         

Depois da morte de Mao Tsé-Tung, em 1976, Deng Xiaoping assumiu o poder, que iniciou a chamada “primavera de Pequim”, a primeira abertura tímida do sistema chinês ao capitalismo, sem nunca renegar a ideologia comunista. Tudo no espírito do Acordo de Xangai. O Ocidente começou, por conseguinte, a investir na China. Plinio Corrêa de Oliveira advertiu que o fluxo de ajudas ocidentais daria à China os meios necessários para perseguir os seus objectivos expansionistas: «Não poderia a China aspirar ao controlo da Ásia? Extensão territorial, população superabundante, apetite de conquista não lhe faltam. Mas ser-lhe-á necessário, para tão grande cometimento, um potencial industrial e bélico considerável. E o regime comunista não lhe deu nem uma nem outra coisa. A China comunista só poderá desenvolver-se e alçar-se à condição de superpotência imperialista com o concurso de uma nação capitalista de grande importância».                       

Um projeto de dominação imperial                
Plinio Corrêa de Oliveira morreu em 1995 e, logo, não viu o pleno cumprimento das suas previsões. Hoje podemos dizer com pesar: tudo o que tinha previsto, tornou-se, infelizmente, realidade da pior maneira possível.   

Em 1980, o rendimento per capita da China era inferior ao das nações africanas mais pobres. Hoje, a China produz 50% de todos os bens industriais do mundo. Tudo isto, reitere-se, com o dinheiro e o know-how do Ocidente, ingenuamente transferidos para a China seguindo a lógica – aliás, a falta de lógica – do capitalismo selvagem e da globalização. Enquanto os ocidentais enchiam a China de dinheiro e de tecnologia, os chineses seguiam escrupulosamente o que um analista ocidental definia como “sistema bismarckiano”, isto é, um projecto bem definido de dominação imperial.                      

Tal projecto é bem examinado por Michael Pillary, um dos maiores especialistas americanos sobre a China, no seu livro: The Hundred-Year Marathon.
Chinas’s secret Strategy to Replace the U.S. as the World Superpower. O autor mostra como a política americana de encher a China de dinheiro e de tecnologia, até mesmo militar, na ingénua esperança de que se tornasse um parceiro fiável, provou ser um bumerangue: durante todo este tempo os chineses jogaram com segundas intenções, aproveitando-se da ingenuidade ocidental para adquirir uma posição dominante, que hoje começam a exercer como arma de domínio global.           

Outro livro interessante é o do jornalista britânico Martin Jacques When China Rules the World: The End of the Western World and the Birth of a New Global Order. Baseado em estudos de mercado, projecções geopolíticas e análises históricas, Jacques mostra como – se a tendência actual continuar – a China será a potência hegemónica no século XXI, desclassificando os Estados Unidos e introduzindo uma “nova modernidade” diferente da actual. Segundo Jacques, a China não é um “Estado-Nação”, mas um “Estado-Civilização” com vocação imperial acostumado a exercer um poder indiscutível.          

Repensar a China       
A pandemia do COVID-19, no entanto, parece ter mudado as cartas na mesa.      

São cada vez mais evidentes as responsabilidades da China na pandemia que, actualmente, está a dominar o mundo. Os únicos a negá-lo são os próprios chineses, que também ameaçam com pesadíssimas sanções contra aqueles que ousem afirmar tal obviedade. À medida que a arrogância de Pequim atinge níveis surreais, o Ocidente começa a questionar-se se não seguiu o caminho errado. «A China infecta-nos, compra-nos e agradecemos-lhe», sintetizou a situação Massimo Cacciari. Cresce também um movimento internacional para pedir um “Tribunal de Nuremberga” para apurar as responsabilidades chinesas e, eventualmente, exigir uma compensação.          

As declarações feitas pelo Cardeal Charles Maung Bo, Arcebispo de Yangon, capital de Mianmar, são muito claras: «Mas existe um governo que tem a responsabilidade primeira, resultado do que fez e do que deixou de fazer: o governo do Partido Comunista Chinês, em Pequim. Vou ser claro – o responsável é o Partido Comunista Chinês, não o povo da China. O povo chinês é a primeira vítima do vírus e, há muito tempo, tem sido a primeira vítima do seu regime repressivo. Merece a nossa simpatia, a nossa solidariedade e o nosso apoio. Apenas a repressão, as mentiras e a corrupção do PCC devem ser responsabilizadas».          

Precisamente o que Plínio Corrêa de Oliveira afirmara no já distante 1937...

Omito as pesadíssimas responsabilidades do Ostpolitik do Vaticano em relação à China comunista, que andou de mãos dadas com a norte-americana e que, sob o pontificado de Francisco, atingiu excessos alarmantes. Abriria horizontes tão relevantes que mereceriam um tratamento à parte.         

Talvez Deus nos esteja a dizer algo com esta pandemia. Talvez tenha chegado o momento de repensar ab imis fundamentis a nossa estratégia em relação à China comunista. Amanhã será tarde demais.         

Mas para fazer isso é necessário ter coragem. Uma coragem que não virá das nossas forças naturais, sejam elas de natureza política, económica ou cultural. Precisamos da intervenção da graça divina nas almas. Questiono-me: diante da imensa tragédia que o nosso mundo hoje vive, abalado até às fundações por esta pandemia, ainda não chegou a hora de clamar ao Céu: Perdão! Perdão! Perdão! Estou certo de que o Céu nos responderá: Penitência! Penitência! Penitência! Conversão! Conversão! Conversão! E, no meio do ruído dos elementos celestiais desencadeados, sentir-se-á uma voz tão doce como um favo de mel dizer: “Coragem, meus filhos! Por fim, o meu Imaculado Coração triunfará!”.            

Julio Loredo      

3 comentários:

  1. Excelente artículo
    Muchos le vendieron y algunos le regalaron la cuerda conque ahora la China comunista nos está ahorcando.

    ResponderEliminar
  2. Agradeço a publicação do meu artigo neste blog. Espero que se abram os olhos de muitas pessoas sobre o perigo da China.

    ResponderEliminar

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários, queira contactar: info@diesirae.pt