sábado, 4 de abril de 2020

O que aprendem as crianças com a Missa Tradicional



Com a Missa Tradicional, as crianças aprendem muitas coisas que, provavelmente, nunca aprenderão com a Missa moderna de Paulo VI.     

1. A Missa é um mistério de fé, um sacrifício santo. O rito antigo conserva e expressa, da maneira mais perfeitamente possível, que na Missa se faz presente e actualiza o Sacrifício da Cruz, a imolação de Nosso Senhor Jesus Cristo, que realizou e continua a realizar a nossa salvação e a de todo o mundo.       

Na Missa Tradicional, é relativamente pouca a catequese necessária para compreender o significado dos gestos do sacerdote e entender como é que ilustram esse significado. Basta saber um pouco do que Jesus fez na Última Ceia e na Sexta-feira Santa. Os vários gestos e as orações relacionam-se com uma série de mistérios encadeados: mediação, redenção, expiação, satisfação, adoração. O Ofertório prefigura este sacrifício; o Cânone Romano, que muitos seguem no seu missal, está impregnado de linguagem sacrificial; a consagração e a elevação da Hóstia e do cálice, no meio de um silêncio estrondoso, precedidas e seguidas de genuflexão, criam o ambiente para fazer presente o Calvário.          

Durante os anos em que ainda assistia às celebrações do Novus Ordo, descobri que os meus filhos e os dos meus amigos não estabeleciam, habitualmente, essas relações. O rito centrava-se mais nos fiéis, falava-se muito e a Comunhão não é mais do que algo acessório. O que menos captavam os sentidos era que essa liturgia é um sacrifício. O que se vê é a manipulação de pão e vinho sobre uma mesa, uma refeição que evoca a ceia pascal. Não é que silencie a dimensão sacrificial; é que, em grande parte, essa está ausente. Numa Missa dita em língua vernácula, versus populum, como se faz habitualmente, escolhendo sempre a oração eucarística II, quanto há, no texto ou na cerimónia, que transmite, de forma clara e contundente, a realidade do sacrifício? Poder-se-ia dizer que, na melhor das hipóteses, o Novus Ordo enfatiza a presença de Cristo entre nós, mas não o Seu sacrifício.    

Constatei, com grande consternação, que me tocava sempre a mim afirmar, enfaticamente e sem que houvesse uma forma palpável de demonstrá-lo, que o Novus Ordo era o sacrifício da Missa, embora não parecesse, e, para além disso, faltava a ampla variedade de textos e cerimónias que destacavam a natureza sacrificial do acto. Aquilo desagradava-me e continua a desagradar-me. Parecia que aquele rito tinha sido idealizado por alguém que não queria que fosse fácil compreender que a Missa é a representação incruenta do sacrifício cruento do Calvário. No Novus Ordo, é necessário fazer muitos malabarismos extra-litúrgicos, caso contrário não se chega a saber a verdade. Como a liturgia não transmite a mensagem, deve-se dedicar mais tempo a explicar, afirmar e esperar que esse frágil fideísmo não abra a porta a catástrofes como o esquecimento, o aborrecimento ou a heresia.     

2. Máxima reverência ao Santíssimo Sacramento. As crianças só veem o sacerdote a tocar e a distribuir Nosso Senhor. Se assistirem a uma Missa solene, observarão que se trata a Hóstia com tanta reverência que, durante todo o Cânone, um sub-diácono segura, com um umeral, uma patena vazia[1]. Em momento algum verão um leigo subir ao presbitério e manusear hóstias e cálices. A Comunhão é distribuída aos fiéis ajoelhados em postura de adoração, como os Reis Magos diante do Menino Jesus. E recebe-se na língua, da maneira como os seus pais alimentam os filhos pequenos e como Deus alimenta o mundo através da Sua Providência. Coloca-se uma patena sob o queixo dos fiéis ajoelhados e não é raro que o comungatório esteja coberto com um pano. Terminada a Comunhão, o celebrante lava os dedos e lava os vasos sagrados com o máximo cuidado. A liturgia não poupa esforços para proclamar alto e claramente a fé da Igreja no milagre da transubstanciação. Nem tampouco os poupa para impedir que se desperdice a mais pequena migalha do Corpo de Cristo ou a menor gota do Seu Sangue.    

3. O sacerdote é mediador entre Deus e os homens. Olha para Oriente, na direcção contrária ao povo. Para Quem? Para Deus, a Santíssima Trindade, em cuja honra se realiza o sacrifício. O Verbo feito carne e verdadeiramente presente no altar do Sacrifício. Representa-nos diante de Deus. E também representa Deus que veio ao nosso encontro. Note-se que a missão do sacerdote, como mediador, é, essencialmente, diferente da dos leigos: «Porque todo o Sumo Sacerdote escolhido de entre os homens é constituído a favor dos homens, nas coisas concernentes a Deus, para oferecer dons e sacrifícios pelos pecados» (Heb 5, 1). Diante do altar, o sacerdote age in persona Christi, representa, pessoalmente, o Sumo Sacerdote Eterno, que Se ofereceu, por amor, para redimir a humanidade.                

Como se vê, o rito antigo distingue claramente o sacerdote e os fiéis; não os amontoa, como o novo rito, mas trata-os de acordo com a sua distinção ontológica[2]. Por exemplo: 

— O sacerdote reza primeiro o Confíteor, por si mesmo, e, depois, os acólitos rezam por eles e pelos fiéis.  

— Na Missa solene, o sacerdote é o único que dá o tom no Glória e no Credo e, depois, continua a rezá-los sozinho, enquanto o coro ou os fiéis cantam[3].    

— No Ofertório, a oração Suscipe, Sancte Pater revela claramente o papel mediador do celebrante, bem como a sua própria natureza pecadora ao ter que cumprir uma função tão elevada: «Recebei, Pai Santo, Deus Todo-Poderoso e eterno, esta hóstia imaculada que eu, indigno servo Vosso, Vos ofereço, meu Deus, vivo e verdadeiro, pelos meus inumeráveis pecados, ofensas e negligências; por todos os presentes e também por todos os fiéis cristãos vivos e defuntos; a fim de que, a mim e a eles, aproveite para a salvação na vida eterna. Amém».      

— O sacerdote comunga primeiro para completar o Sacrifício e, depois, oferece-o ao povo. Diz, por três vezes, “Dómine, non sum dignus” e, depois, também podem os acólitos e os fiéis rezá-lo três vezes[4].          

— A oração Placeta tibi, no fim da Missa, destaca, novamente, a função do sacerdote: «Seja-Vos agradável, ó Santíssima Trindade, a homenagem do Vosso servo; e este sacrifício, que eu, indigno, ofereci aos olhos da Vossa Majestade, seja-Vos agradável, e a mim, e a todos aqueles por quem o ofereci, seja, pela Vossa piedade, propiciatório». Esta não é a oração de alguém que simplesmente preside à Eucaristia ou à assembleia.       

4. As próprias palavras da Missa são sagradas e sublimes. Isto é claramente destacado pelo latim em que se reza a Missa de princípio a fim (excepto na homilia, que não faz parte da liturgia propriamente dita, mas que é uma explicação de alguns aspectos da liturgia, do Credo ou das leituras para benefício dos ouvintes). O uso de uma linguagem arcaica demonstra, sem necessidade de explicação, que a liturgia não é algo rotineiro, como daria a entender o uso da língua vernácula[5]. Da mesma forma, é muito apropriada a grande reverência que se manifesta em relação ao missal durante toda a celebração litúrgica: é colocado sobre um atril dourado ou numa almofada delicada e os ministros transportam-no com uma atitude cerimonial e, se a Missa for solene, é até mesmo acompanhado por velas e incenso.  

5. A música – e especialmente o canto – é muito singular e é dedicada a Deus. O efeito que produz uma língua sagrada antiga não pode deixar de ser aprimorado quando os textos litúrgicos são cantados com as subtis melodias do canto gregoriano, com os seus oito modos e o ritmo fluído na métrica, tão diferentes de tudo o resto que possa existir no âmbito da música. O canto gregoriano surgiu exclusivamente para o culto divino e não se presta a nenhum outro uso: é exclusivamente para Deus. É o equivalente sonoro do incenso, das casulas e dos cálices dourados que são usados apenas durante o culto. São coisas que se poderiam considerar a guarda de honra e os servos de Cristo, que evocam, com muita eficácia, a Sua presença e que nos guiam, com facilidade, à dita presença[6].     

6. A Missa é algo sério e solene. A liturgia centra-se inteiramente no presbitério, no altar, no sacrifício, no banquete celestial e no Pão dos anjos. É uma obra ordenada e disciplinada: há formalidade, harmonia nos gestos e nas palavras, concentra-se na oração. Se alguém interrompesse o celebrante, dizendo-lhe: «Porquê que não se vira para nós? Porquê que nos vira as costas e não nos diz para onde vai, nem quando volta?», ele poderia responder com as palavras do Menino Jesus no templo: «Porque Me procuráveis? Não sabíeis que devia estar em casa de Meu Pai?» (Lc 2, 49). Jesus disse isso aos seus santíssimos pais e deixou-os estupefactos. Recordou-lhes que o Reino de Deus está acima de tudo e que a glória devida ao Pai é superior à de todo o bem terreno.           

7. A fonte da nossa unidade e comunhão está em Cristo e emana d’Ele para todos nós. Em vez de ter um ambiente horizontal e enfatizar a horizontalidade, um círculo fechado de pessoas que se fazem notar mutuamente de modo pelagiano, na Missa Tradicional orientámo-nos sempre para Deus, adorando-O, implorando a nossa salvação, procurando n’Ele a nossa união e a nossa própria identidade. E, acima de tudo, algo tão moderno quanto a eclosão simultânea de, no Novus Ordo, se dar a paz, que transmite a mensagem subliminar de que a paz entre nós brota como se fosse concebida pela própria comunidade humana dos fiéis, não tem lugar no Rito Romano solene, que, pelo contrário, mostra que a pax vem do Cordeiro de Deus, Jesus Cristo, verdadeiramente presente no altar como Príncipe da Paz, e que desce, como uma cascata, de Deus, através do sacerdote, do diácono e do sub-diácono, até alcançar os fiéis. Do mesmo modo que a Comunhão começa pelo sacerdote, de seguida comungam os outros ministros e, por último, os fiéis.                      

8. A nossa religião é algo dado, que recebemos. As palavras da Missa, herdámo-las da Tradição, representada pelo missal que está no altar; a paz de Cristo, recebemo-la desde o altar; e a Sagrada Eucaristia é no-la dada por uma mão consagrada. A estabilidade e a imutabilidade do rito, juntamente com o seu ethos manifestamente antigo, transmitem claramente que a religião cristã é anterior a nós, às nossas intenções, aos esforços e boas ideias, e que continuará até muito depois termos voltado ao pó. Quão melhor não é que os homens de hoje sejam, para variar, em vez de produtores, fabricantes e inventores, humildes mendigos chamados, pela graça da vontade de Deus, à esplêndida mesa do Rei? O celestial banquete das bodas já estava em pleno andamento quando chegámos e continuará, para sempre, connosco (se Deus quiser) ou sem nós.     

9. A Missa transcende a congregação dos fiéis. Teoricamente, cada Missa celebrada pelos mil milhões de católicos do mundo é o Sacrifício do Calvário. Agora, como a Missa nova é celebrada em centenas de idiomas, com muitos estilos que se contradizem mutuamente, muitas possíveis opções, os estilos locais sobrepõem-se à fórmula universal e pode-se dizer que existem tantas formas de liturgia quanto paróquias. Isto fomenta uma mentalidade provinciana negativa que divide os católicos em tribos e taifas, bem ao estilo dos milhares de seitas protestantes.  

De um extremo ao outro da Terra, a Missa Tradicional em latim é celebrada com as mesmas orações ancestrais, no mesmo idioma universal e exactamente de acordo com as mesmas rubricas. À medida que as crianças crescem e viajam para além da localidade em que vivem, qualquer Missa em latim em que participem, noutras cidades ou países, fará com que compreendam palpavelmente a unidade e a universalidade da Igreja. Beneficiando-se das diversas culturas, a Missa de sempre transcende as fronteiras e as particularidades dos povos. A verdade é que este culto divino supranacional liga-nos organicamente a todas as gerações passadas e futuras até ao fim dos tempos. As suas frequentes invocações aos santos anjos, na maioria suprimidas no Novus Ordo, põem-nos em comunhão com os sublimes coros celestes que servem a Deus neste mundo, vivendo numa dimensão que transcende o mundo dos seres de carne e osso.           

10. A Missa é a escola suprema de oração. Há que reconhecer que, para isso, é necessária a ajuda dos pais, mas a liturgia tradicional em latim cria um ambiente ideal para despertar a vida interior da criança e oferece-lhes uma oportunidade para ficarem sossegadas e em silêncio e descobrirem o significado e a eficácia da adoração e dos demais actos de oração. Ninguém o expressou melhor do que o padre Bryan Hougton, escritor inglês cujo personagem literário, Edmund Forrester, descreve (de maneira obviamente autobiográfica) como aprendemos a rezar: «Aprendi as orações básicas no colo materno e continuo a rezá-las todas as noites. Mas aprendi a rezar quando me levavam à Missa, aos domingos, mesmo que não tivesse muita vontade. Ali, o pai e a mãe não eram os mesmos. Não se falavam nem olhavam. A mãe manuseava um terço, enquanto que o pai folheava um exemplar do devocionário Garden of the Soul, agora usado por um sobrinho meu. A minha irmã mais velha, Gertrude, que se tornou monja beneditina, permanecia de joelhos com o corpo erguido e os olhos quase sempre fechados. Se olhasse em volta, via o mesmo com os meus demais parentes e vizinhos. O que mais me chamava à atenção era que ninguém me prestava a mínima atenção. Se eu tentasse puxar a saia de minha mãe, ela gentilmente me apartava com a mão. Se tentasse subir para as costas de meu pai, ele pegava em mim e punha-me no chão. Isso também era estranho; embora eu usasse a roupa dos domingos, deixavam-me rastejar no chão desde que eu não fizesse barulho. Uma criança como eu, estava perfeitamente ciente de que algo importante estava a acontecer.      

Diante do altar estava o padre Grey, um ancião severo de quem me escondia, na casa-de-banho, sempre que nos visitava. Quando oficiava, usava umas roupas coloridas que lhe davam o aspecto de uma borboleta. Durante a maior parte do tempo, não dizia nada; olhava na direcção oposta e fazia tão pouco caso de meus pais quanto de mim.       

Não creio que foi demasiado precocemente, mas, certamente, era muito pequeno quando percebi que, na igreja, todas as pessoas presentes rezavam sem recitar orações, tal como eu. Como as crianças imitam o que veem, eu também queria rezar sem rezar. Disse-o à minha irmã Gertrude e ela respondeu-me: “Tu, deixa-te estar sentado e sossegado. És muito pequeno para te ajoelhares. Mantém as mãos quietas sobre as pernas. Tenta não olhar para os lados e mantém os olhos fechados, se puderes. Depois, repete “Jesus”, na tua cabeça, lentamente mas sem parar. Quando se tiver que dizer “meu Senhor e meu Deus”, far-te-ei um sinal para que o digas comigo”.                  

Eu diria que,
mutatis mutandis, foi assim que aprendemos todos a rezar. A própria Missa foi a nossa escola de oração. Lá aprendemos a ser humildes e indiferentes ao que estava ao nosso redor, a recolher-nos e a aderirmos à Divina Presença. E era também na Missa que os fiéis simples se exercitavam na oração ao longo da vida. Embora não soubessem muita teologia, rezavam como, em muitos casos, não faziam os próprios teólogos. Além disso, os mais simples dentre eles chegavam a superar-me quanto à vida de oração e à santidade»[7].    

«Deixai as criancinhas e não as impeçais de vir a Mim», disse Nosso Senhor Jesus Cristo (Mt 19, 14).                

Deixemos que vão até Ele no tremendo mistério da Fé, o Sacrifício que une Deus ao homem. Deixemos que vão ao Seu Corpo e Sangue com a maior reverência. Que O contemplem nos ministros a quem chamou a ser outros Cristos para que a Sua obra continue nas mãos deles. Que as crianças tenham a oportunidade de reconhecer a santidade pela visão, pela audição e pelo olfacto, enquanto contemplam, ouvem e estão na casa de Deus e enquanto são repetidas, para deleite do Céu e aborrecimento do Inferno, as palavras que incontáveis
​​santos proferiram e entoaram. Deixemos que as crianças se apresentem diante o Senhor, com solene alegria, para experimentar a paz que ultrapassa todo o entendimento. Deixemos que recebam, de Jesus, dons em abundância e, acima de tudo, o do Seu Corpo. Que saibam que se incorporam à presença de exércitos de anjos que adoram o Cordeiro degolado desde a criação do mundo.     

Não os impeçamos por causa de uma liturgia defeituosa e cheia de falsidades (como, por exemplo, que não há muita diferença entre a nave e o presbitério da igreja ou entre o sacerdote e os ministros extraordinários da Sagrada Comunhão para repartir os divinos mistérios). Não coloquemos obstáculos às crianças, cobrindo ou manchando a exclusiva dignidade das mãos do sacerdote, ungidas para tocar algo tão santíssimo como o Corpo e o Sangue de Cristo. Não os impeçamos de se voltarem para o Senhor por causa de alguns dos costumes que caracterizam o Novus Ordo, motivados por uma falsa teologia que descatequiza e recatequiza as crianças, reeducando-as, ao estilo soviético, num novo paradigma do catolicismo.                

Lex orandi, lex credendi, lex vivendi. A nossa maneira de rezar demonstra e ensina aquilo em que acreditamos, e tal, por sua vez, molda a nossa vida à imagem e semelhança disso. Que tipo de fé professamos e como é que vivemos a nossa vida católica? Nota-se observando a liturgia.            

Peter Kwasniewski



[1] Antigamente, na liturgia pontifical, o sub-diácono segurava num pedaço da Hóstia consagrada. Mesmo depois de cair em desuso esse costume, o rito manteve o gesto que nos recorda a santidade de tudo o que está relacionado, mesmo no mais pequeno, com a Sagrada Eucaristia.
[2] Isto contribui, de facto, para a maior unidade do corpo dos crentes. A hierarquia e a unidade são correlativas, não se opõem entre si, como entende falaciosamente a democracia.
[3] Num artigo, que publiquei no blogue New Liturgical Movement, Is It Fitting for the Priest to Recite All the Texts of the Mass?, defendi esta prática, clara influência da Missa baixa sobre a Missa solene, um costume que a maioria dos liturgistas abomina.     
[4] A maneira em que o Novus Ordo combina a comunhão do sacerdote com a dos fiéis é prova da influência protestante. Como ensina a teologia católica, embora seja desejável que o maior número possível de fiéis receba a Comunhão (desde que estejam em estado graça e com as devidas disposições), só é imprescindível que o sacerdote o faça para que seja válida a celebração. Isto obedece a que o sacerdote, ao representar Cristo, representa todo o Corpo Místico, tanto a Cabeça como os membros; o Sacrifício da Cruz efectua-se por si mesmo antes que os seus frutos se comuniquem aos membros individuais da espécie humana.
[5] Estou farto de que nos digam, como se não o soubéssemos, que os cristãos do rito oriental celebram na sua língua vernácula. Para começar, isso não é totalmente verdade; muitos ritos orientais continuam a usar, no todo ou em parte, línguas litúrgicas arcaicas santificadas por séculos de uso constante. E, em segundo lugar, no Oriente sempre houve diversidade e adaptação linguística de uma maneira totalmente estranha à tradição ocidental que, durante 1600 anos, teve o latim como única e exclusiva língua litúrgica. Das duas, uma: ou essa exclusividade linguística foi vontade de Deus ou a Igreja de Roma está confundida há muito tempo, pelo que será melhor tornarmo-nos ortodoxos. Não me custa crer que se deve à vontade de Deus e que, no Rito Romano, mudar para línguas vernáculas foi um erro crasso de clérigos arrogantes e míopes.
[6] Ainda que, por vezes, se utilizem, nas celebrações do Novus Ordo, o latim e o canto gregoriano, é preciso ter presente algo fundamental: a beleza que a Igreja nos proporciona é, antes de tudo, a beleza do próprio rito, que se expande para abarcar e inspirar outras artes. O latim e o canto gregoriano foram criados para apoiar o rito tradicional; melhor, como o corpo que corresponde à alma; a sua grandeza está ligada à sua essência.
[7] Retirado do romance epistolar Mitre and Crook, publicado, pela primeira vez, em 1979.

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários, queira contactar: info@diesirae.pt