sábado, 22 de junho de 2019

À Virgem do meio-dia


É meio-dia.
Vejo a igreja aberta e entro.
Mãe de Jesus Cristo, não venho rezar.
Nada tenho a oferecer, nem a pedir.
Venho simplesmente, Mãe, olhar-te.
Olhar-te, chorar de felicidade,
tomar consciência de que sou teu filho e que estás aí.
Desejo passar um instante contigo,
no meio do dia, quando tudo parece parar.
Meio-dia!

Quero ser teu, Maria, nesse lugar em que estás!
Nada dizer, apenas olhar o teu semblante.
Deixar o coração cantar a sua própria linguagem.

Nada dizer, apenas cantar,
por ter o coração repleto de júbilo.
Cantar como o melro que exprime
as suas ideias em versos improvisados.

Porque é meio-dia,
porque estamos neste dia de hoje!

Paul Claudel

Sem comentários:

Publicar um comentário

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários, queira contactar: info@diesirae.pt