quinta-feira, 13 de junho de 2019

3 milagres de Santo António de Lisboa


1. O Menino Jesus aparece ao Santo     
Certa vez, António precisou de alojamento em Pádua, em Itália, e um senhor nobre, da família dos Condes de Camposampiero, teve a honra de o acolher em sua casa. Uma noite, ao ver do lado de fora do quarto de frei António alguns raios de luz, aproximou-se e viu o Santo segurando nos braços um gracioso Menino que suavemente o acariciava. Ficou cheio de espanto por tão extraordinária maravilha e compreendeu que se tratava do Menino Jesus que se tornara visível ao Santo para recompensá-lo, com celestes consolações, pelas fadigas sofridas. Enquanto ainda observava, o Menino desapareceu. Saindo do êxtase, frei António saiu do quarto e dirigiu-se ao dono da casa, dizendo que sabia que ele o havia observado durante a aparição. Pediu-lhe, então, com insistência, que não revelasse o que tinha visto. O senhor cumpriu a palavra, somente revelando o facto depois da morte do Santo. A história tocara-o profundamente e, todas as vezes que a relatava, não conseguia conter as lágrimas.  

2. O anel episcopal desaparecido          
Muito devoto de Santo António, o Bispo de Córdoba possuía um anel de estimação. Certo dia, notou a falta dele: tinha-o perdido ou, então, tinham-no roubado. Passou-se muito tempo sem que o anel aparecesse. Um dia, estava o Bispo à mesa, com alguns senhores seus parentes, quando, casualmente, falaram no poder de Santo António para encontrar bens perdidos. Disse, então, o Bispo: “Tenho recebido grandes favores do Santo, mas ele ainda não ouviu as súplicas que lhe tenho feito para achar um anel que perdi”. Mal acabou de proferir essas palavras, o anel desaparecido caiu no meio da mesa, à vista de todos, sem que ninguém soubesse explicar de onde viera.            

3. O prato envenenado        
Alguns hereges resolveram matar Santo António, envenenando-o. Convidaram-no para comer com eles, dando como pretexto debater sobre alguns pontos da Fé. Santo António aceitava sempre comparecer a esses debates e polémicas. Os hereges puseram diante dele, entre outros pratos, um que continha veneno mortal. Antes que o tocasse, Deus revelou-lhe a cilada e o Santo, conservando toda a calma, repreendeu os hereges pela traição. Vendo revelado o intento perverso, os hereges não se abalaram e responderam cinicamente: “É verdade que esse prato tem veneno, mas colocámo-lo aí porque queremos fazer uma experiência: no Evangelho está escrito que Jesus Cristo disse aos seus discípulos que, ainda que tomassem veneno mortal, nenhum mal sofreriam e queríamos saber se és, de facto, discípulo de Cristo”. Santo António fez o sinal da Cruz sobre aquele prato e comeu-o com apetite, saboreando a comida envenenada como se fora alimento saudável, nada tendo sofrido e deixando, mais uma vez, os hereges confusos e assombrados.              

Sem comentários:

Publicar um comentário

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários, queira contactar: info@diesirae.pt