sexta-feira, 24 de maio de 2019

6 curiosidades sobre Nossa Senhora Auxiliadora


1. Maria era chamada de “Auxiliadora” pelos primeiros cristãos  
Os primeiros cristãos na Grécia, Egipto, Antioquia, Éfeso, Alexandria e Atenas costumavam chamar a Santíssima Virgem Maria de “Auxiliadora”, em grego é “Boeteia”, e significa “a que traz auxílios vindos do Céu”. O primeiro Padre da Igreja que chamou a Virgem Maria de “Auxiliadora” foi São João Crisóstomo, no ano 345, em Constantinopla. O santo disse: “Vós, Maria, sois o auxilio potentíssimo de Deus”. Também foi reconhecida com este nome por Proclo Lício, no ano 476, e por Sebas de Cesária, em 532.                                 

2. Maria Auxiliadora intercedeu nas batalhas de Lepanto e Viena                      
Em 1572, o Papa São Pio V, depois da vitória do exército cristão sobre os turcos muçulmanos, na Batalha de Lepanto, ordenou celebrar-se no dia 7 de Outubro a festa do Santo Rosário e que nas Ladainhas fosse invocada “Maria, Auxílio dos cristãos”. Naquele ano, Nossa Senhora livrou prodigiosamente toda a cristandade da destruição de um exército maometano de 282 barcos e 88 mil soldados. Em 1683, os turcos atacaram Viena durante o pontificado de Inocêncio XI. Sob o comando do Rei da Polónia, João Sobieski, com um exército inferior, derrotou o exército turco confiando na ajuda de Maria Auxiliadora. Pouco tempo depois, fundaram a Associação de Maria Auxiliadora, que actualmente está em mais de 60 países.          

3. A festa nasceu durante a Revolução Francesa 
A história do estabelecimento da festa de Nossa Senhora Auxiliadora remete a alguns anos depois da Revolução Francesa, a qual havia realizado um grande golpe à Igreja. O Papa Pio VII foi preso no Palácio de Fontainebleau pelo imperador francês Napoleão Bonaparte e dedicou as suas orações à Maria Santíssima, “Auxílio dos Cristãos”, para que protegesse a Igreja. As preces do Papa foram ouvidas e, em 1814, Napoleão assinou a sua abdicação. Em 1815, quando a Igreja tinha recuperado a sua posição e poder espiritual, o Papa instituiu a festa de Nossa Senhora Auxiliadora, no dia 24 de maio, para perpetuar a memória do seu retorno a Roma depois do seu cativeiro em França.           

4. A festa de Nossa Senhora Auxiliadora é celebrada na Ucrânia desde o século XI           
O nome “Auxiliadora” foi dado à Virgem Maria, na Ucrânia, desde 1030 por ter libertado aquela região da invasão de tribos pagãs. Desde então, a Igreja Ortodoxa nesse País celebra a festa de Nossa Senhora Auxiliadora no dia 1 de Outubro.              

5. Maria Auxiliadora apareceu a São João Bosco            
São João Bosco foi um grande propagador do amor a esta devoção mariana, porque a própria Virgem Maria lhe apareceu em 1860 e assinalou o lugar em Turim onde queria que fosse construído um templo em sua homenagem. Do mesmo modo, pediu para ser homenageada com o título de “Auxiliadora”. Em 1863, São João Bosco começou a construção da igreja com alguns centavos, mas com a intercessão da Santíssima Virgem Maria, a 9 de Junho de 1868, apenas 5 anos depois, foi realizada a consagração do templo. O Santo costumava dizer: “Cada tijolo deste templo corresponde a um milagre da Santíssima Virgem Maria”. A partir daquele Santuário, começou a espalhar pelo mundo a devoção a Maria sob o título de Auxílio dos Cristãos.          

6. Três Papas eram devotos de Nossa Senhora Auxiliadora 
O Papa João XXIII cultivou uma especial devoção a Nossa Senhora Auxiliadora, cuja imagem, tirada de um número do Boletim Salesiano, estava na parede perto da sua cama. Proclamou-a Padroeira do Concílio com o título de Auxilium Christianorum, Auxilium Episcoporum, e, em 28 de Maio de 1963, gravemente doente, abençoou com profunda emoção as duas coroas destinadas ao quadro da Auxiliadora na Basílica do Sagrado Coração de Roma. Por sua parte, João Paulo II costumava visitar a Igreja de Santo Estanislau Kostka, dos Salesianos, em Cracóvia, entre os anos 1938 e 1944, e muita vez rezou na Capela de Nossa Senhora Auxiliadora. Nesta igreja, no dia 3 de Novembro de 1946, celebrou uma das suas primeiras missas como sacerdote.
O Papa Francisco, durante a sua visita apostólica a Turim, em 2015, por ocasião dos 200 anos do nascimento do fundador dos Salesianos, São João Bosco, contou que durante a sua infância foi educado num colégio Salesiano e aprendeu a amar Nossa Senhora Auxiliadora: “Eu lá aprendi a amar a Virgem, os Salesianos formaram-me na beleza, no trabalho, e, acredito que este é um carisma deles, formaram-me na afectividade e isso era uma característica de Dom Bosco”, assegurou.  

[Fonte: ACI Digital]

Sem comentários:

Publicar um comentário

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários, queira contactar: info@diesirae.pt