quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

Disparidade entre os fiéis da Missa Tradicional e os da Missa de Paulo VI



Uma nova pesquisa realizada pelo P. Donald Kloster, da Igreja de Santa Maria, em Norwalk, Connecticut, Estados Unidos, em parceria com um estatístico e com Brian Williams, de LiturgyGuy.com, realçou alguns dados interessantes de um grupo sub-representado de católicos: aqueles que regularmente assistem à Missa Tradicional.           

O sacerdote que iniciou a pesquisa celebra “tanto a Missa de Paulo VI – Novus Ordo Missae — como a Missa Tradicional há cerca de 20 anos e afirma, na introdução dos resultados, que “observou variações entre as pessoas que assistem às duas Missas do Rito Romano”.       

Observando que os “católicos americanos que assistem à Missa de Paulo VI têm sido questionados repetidamente acerca das suas ideias e práticas (Pew Research e Center for Applied Research in the Apostolate at Georgetown University – CARA)”, também observa que “o corpo de pesquisas não parece incluir uma descrição de católicos que assistem à Missa Tradicional” que compreende “cerca de 100 mil católicos”, assistindo “ao menos a 489 Missas dominicais em todo o país”. Foram questionadas, tanto presencialmente como online, um total de 1773 pessoas.

Os resultados em questões-chave revelam que:      

1. 2% dos católicos que assistem à Missa Tradicional aprovavam a contracepção, contra 89% dos católicos que assistem à Missa pós-conciliar;          

2. 1% dos católicos que assistem à Missa Tradicional aprovavam o aborto, em comparação a 51% dos que assistem à Missa pós-conciliar;        

3. 99% dos católicos que assistem à Missa Tradicional afirmaram ir à missa semanalmente, contra 22% dos que assistem à Missa pós-conciliar;     
                 

4. 2% dos que assistem à Missa Tradicional aprovavam o “casamento gay”, contra 67% dos que assistem à Missa pós-conciliar.

Também é de se destacar a taxa de doação entre católicos que assistem à Missa Tradicional, que era cerca de 6 vezes o total de doações (6% do orçamento) dos católicos de Missa pós-conciliar (1,2%). Os católicos tradicionais também possuíam uma taxa de natalidade de 3,6 contra 2,3 dos católicos pós-conciliares — indicando “uma família aproximadamente 60% maior”.                   

Como afirmam os autores do estudo, as diferenças entre os dois grupos eram “dramáticas, quando comparadas as ideias, a frequência na igreja, a generosidade financeira e as taxas de natalidade”.           

A pesquisa inicial, conduzida durante alguns meses de 2018, foi curta, mas P. Kloster pretende dedicar-se ao estudo de assuntos adicionais na sua próxima pesquisa — tal como a propensão para as vocações — que deseja iniciar neste ano.             

Os resultados serão, provavelmente, pouco surpreendentes para os católicos que frequentam as capelas em que a Missa Tradicional é disponibilizada no País. Estes indicam que essas capelas são terreno fértil para a ortodoxia católica, famílias numerosas e uma prática autêntica da fé, e continuarão a prover o crescimento e o alimento da Igreja no futuro próximo.      

[Adaptado de: Fratres in Unum]

1 comentário:

  1. Esperemos que a Santa Missa Tradicional seja disponibilizada nas nossas Igrejas e nas nossas Paróquias.

    ResponderEliminar

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários, queira contactar: info@diesirae.pt