segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

Sobre a Confissão



Ó minha Mãe querida, com que solicitude me preparastes, quando me explicastes que não era a um homem, mas ao Bom Deus, que iria contar os meus pecados. Disto estava tão convicta, que fiz a minha confissão com grande espírito de fé, e cheguei até a perguntar-vos se não seria mister referir ao Padre Ducellier que o amava de todo o meu coração, pois que na sua pessoa era ao Bom Deus que ia falar. Fiz a minha confissão, como se fosse uma menina grande, e recebi a sua bênção com grande devoção, porque me havíeis explicado que, nesse momento, as lágrimas do Menino Jesus purificariam a minha alma. Lembro-me de que a primeira exortação que me foi feita incitava-me, principalmente, a ter devoção à Santíssima Virgem, e prometi a mim mesma redobrar a minha ternura para com ela. Ao sair do confessionário, estava tão contente como jamais sentira tamanha alegria na alma.    

Santa Teresinha do Menino Jesus sobre a sua primeira confissão

Sem comentários:

Publicar um comentário

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários, queira contactar: info@diesirae.pt