sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

Seis conselhos para meditar a Paixão de Cristo



São seis as coisas que se devem meditar na Paixão de Cristo: A grandeza das Suas dores, para nos compadecermos delas. A gravidade do nosso pecado, que é a sua causa, para o detestarmos. A grandeza do benefício, para agradecer. A excelência da Divina bondade e caridade, que se descobre nela, para amá-la. A conveniência do mistério, para se maravilhar dele. E a multidão das virtudes de Cristo, que resplandecem nela, para imitá-las. De acordo com isto, quando vamos meditando, devemos ir inclinando o nosso coração, umas vezes compadecendo-nos das dores de Cristo, pois foram as maiores do mundo, quer pela delicadeza do Seu Corpo, quer pela grandeza do Seu Amor, como também por padecer sem nenhuma forma de consolação, como está dito noutra parte.Umas vezes, devemos ter em atenção o tirar desta motivos de dor pelos nossos pecados, considerando que foram a causa para que Ele padecesse tantas e tão graves dores como padeceu. Outras vezes, devemos tirar dela motivos de amor e agradecimento, considerando a grandeza do Amor que Ele, através dela, nos manifestou e a grandeza do benefício que nos fez, redimindo-nos tão copiosamente, com tanto suor da Sua parte e tanto proveito para nós.                     

S. Pedro de Alcântara    
     

Sem comentários:

Publicar um comentário

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários, queira contactar: info@diesirae.pt