domingo, 6 de janeiro de 2019

In Epiphania Domini



Eis que os Reis Magos, que vêm de longe, chegam a Jerusalém e bradam: onde está o recém-nascido, rei dos judeus? Os Reis Magos, as primícias das gentilidades, eram a nossa imagem. Também viemos nós de longe, dessa região tenebrosa donde nos trouxeram e que é denominada pecado original; chegamos a Jerusalém e eis que estamos na Igreja; e na Igreja, deste cantinho que Deus nos preparou, perguntamos: onde está o recém-nascido, rei dos judeus? Onde está o Rei? Onde está Jesus? Nesta ocasião, cantamos o cântico santo: “Diz-me, ó amado de minha alma, onde apascentas o teu gado, onde repousas ao meio-dia” (Ct 1, 6). Eia! Vede, Jesus, as almas que Vos pertencem, procuram, clamam e reclamam: onde está o único Rei, o único Bem-Amado, o único Esposo, o único Jesus? Está no Céu, está na Eucaristia, está vivo nos corações. Ah, Ele há-de amar-nos, onde quer que esteja. Vinde e amemos, vinde e adoremos. Venite adoremus.                       

D. Lourenço Fleichman, OSB        

Sem comentários:

Publicar um comentário

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários, queira contactar: info@diesirae.pt