segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

«É melhor morrer de fome do que aceitar a homossexualidade»




O Cardeal Polycarp Pengo, da Tanzânia, recusou-se a receber ajuda de programas internacionais ligados à promoção da homossexualidade, insistindo que “é melhor morrer de fome do que receber ajuda e ser obrigado a fazer coisas contrárias ao desejo de Deus”.         

O site de notícias dos Bispos alemães e o Catholic Information Service for Africa publicaram, no dia 30 de Novembro, uma notícia da Associação da Conferência dos Bispos da África Oriental – AMECA, segundo a qual o Cardeal Pengo pediu ao governo da Tanzânia que não aceitasse ajuda de estados ocidentais que estão a dar ajuda com a condição da aceitação da homossexualidade no País.                   

A esse respeito, o Cardeal acrescentou que “o pecado da homossexualidade foi a causa da destruição de Sodoma e Gomorra e que essas coisas são contrárias ao plano de Deus na criação e não devem ser aceites de forma alguma”, insistindo que “aceitar a homossexualidade é negar a Deus”.            

A Igreja precisa de mais Pastores como o Cardeal Polycarp Pengo, de homens de Deus que, sem medo e movidos pelo Espírito do Senhor, tenham a coragem e a firmeza de ser fiéis a Nosso Senhor Jesus Cristo, que foi crucificado por causa dos nossos pecados, diferenciando aquilo que é bom daquilo que é nocivo para a salvação das nossas almas. De África, graças a Deus, sopram ventos de fidelidade à Santa Igreja: rezamos para que este bom povo persevere na sua total adesão ao Bom Pastor!         

Sem comentários:

Publicar um comentário

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários, queira contactar: info@diesirae.pt