terça-feira, 13 de novembro de 2018

Padre Pio e os Santos Anjos



Um homem, certa vez, contou: “O Padre Pio parava frequentemente na sacristia para cumprimentar as suas crianças e amigos espirituais com um beijo. Um senhor comentou que um homem naquela posição deveria cumprimentá-los somente com a bênção e não com um beijo”. Para surpresa daquele senhor, no dia 24 de Dezembro de 1958, estando em confissão com o Padre Pio, quando estava no fim, o seu coração palpitava fortemente e estava tão emocionado que perguntou ao Padre Pio: “Padre, hoje é Natal, posso cumprimentá-lo com um beijo?”. S. Pio, com uma doçura que não se consegue descrever, mas somente imaginar, respondeu-lhe: “Avante, meu filho, não percamos mais tempo!”. Ele abraçou-me e eu beijei-o como um pássaro, alegre, e saí daquele lugar cheio de alegrias celestiais, fora aqueles carinhos na cabeça que ele me deu, o que dizer deles!       

Depois de algum tempo, antes de partir para S. Giovanni Rotondo, quis obter um sinal particular de predilecção do Padre Pio. A bênção dele não era suficiente. Eu também queria que me cumprimentasse com aqueles carinhos na cabeça, que eram, para mim, os de um verdadeiro pai. Tenho que dizer que eu, como um menino, nunca senti falta dos carinhos do Padre Pio. Mas, num certo dia, na sacristia, estavam muitas pessoas que queriam cumprimentar o Padre Pio, a sacristia era pequena e, por isso, o Padre Vincenzo exortou a todos com a severidade habitual: “Não empurrem, não atrapalhem o Padre Pio, para trás”. Neste momento eu desencorajei-me e pensei: “Partirei sem a bênção do Padre Pio. Não quis ir até ele e, por isso, pedi ao meu anjo da guarda para se tornar um mensageiro e contar ao Padre Pio que eu iria partir e disse com estas palavras: Pai, eu parto, desejo receber a bênção e o carinho paternal do Padre Pio para mim e para a minha esposa”. O Padre Vincenzo ainda estava a repetir: “Não empurrem o Padre Pio, não empurrem”, quando aquele padre piedoso caminhou ao meu encontro, eu sentia ao mesmo tempo uma grande ansiedade e uma grande tristeza. De repente, ele veio ao meu encontro e, a sorrir, deu-me aqueles carinhos na cabeça e estendeu a mão para que a beijasse.   

Sem comentários:

Publicar um comentário

«Tudo me é permitido, mas nem tudo é conveniente» (cf. 1Cor 6, 12).
Para esclarecimentos e comentários, queira contactar: info@diesirae.pt